26 de fevereiro de 2024
Campo Grande 29ºC

CAPITAL

Prefeita Adriane Lopes e equipe técnica se reúnem com empresários do Polo Empresarial Norte

A- A+

Uma das principais demandas da Associação de Empresas do Polo Empresarial Norte (Assepen) já está em andamento. Em reunião com empresários nessa segunda-feira (4), a prefeita Adriane Lopes informou à Assepen que a finalização da Escola Municipal de Educação da Vila Nasser está no pacote de obras anunciado no mês de novembro.

"Que fosse contemplado no local uma creche. Este é um problema que nós temos aqui. Os colaboradores têm muita dificuldade de levar suas crianças, e nós temos muitas dificuldades com mão de obra, exatamente por ser uma área que não tem uma creche", disse o presidente da Assepen, Marcos Tavares Soares.

Com mais de 40 empresas instaladas e gerando mais de 1,5 mil empregos diretos e indiretos, o Polo Empresarial Norte é um dos principais de Campo Grande. E com tanta gente trabalhando, o local se faz necessário para dar mais comodidade às trabalhadoras, que muitas vezes não têm com quem deixar suas crianças.

"Viemos aqui ouvir as demandas e entender as necessidades. O nosso papel é servir a cidade com excelência e com os serviços que a Prefeitura disponibiliza com os recursos pagos pelos cidadãos. Assumimos a administração com 13 obras paralisadas, sendo algumas há quase 16 anos. Destas, 8 já estão com a obra retomada, às demais vou a Brasília semana que vem na tentativa de destravar", disse.

Para 2024, a Prefeitura já irá entregar 166 novas salas modulares com 48 m² para comportar as 6.600 novas vagas. Também é prevista uma Sala de informática itinerante. Saiba mais clicando aqui (https://www.campogrande.ms.gov.br/cgnoticias/noticia/ar-condicionado-energia-solar-166-salas-e-66-mil-vagas-sao-metas-do-maior-pacote-da-educacao-da-capital/)

Outras demandas como segurança na questão logística foram atendidas este ano, por meio da Secretaria Municipal de Inovação, Desenvolvimento Econômico e Agronegócio (Sidagro) , que fez toda a conexão entre os empresários, Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) e CCR Vias. Após reuniões, ficou decidida a construção de um quebra-molas, como medida paliativa, mas que está resolvendo o problema.

"Quando foi instalado no começo seria de uma forma paliativa, mas felizmente está resolvendo o nosso problema, a gente está com mais segurança para sair. Em nome da associação eu agradeço, nós somos gratos pelo olhar da administração pública do Município para o nosso polo", concluiu Tavares.

O titular da Sidagro Adelaido Vila lembrou da parceria dos empresários nas ações da Prefeitura. "Nós construímos aqui muitas parcerias e quero aproveitar e agradecer ao Gustavo, das Indústrias Santa Maria, que nos forneceu as embalagens para o projeto Adubando Oportunidades, junto com o adubo que sai daqui das sementeiras, aqui do Polo. Isso atende muitas famílias da agricultura familiar. Isso é parceria. Agradeço pela doação de cobertores que vocês fizeram na Campanha do Agasalho da Prefeitura e agora no Mandela, com as cestas básicas que saíram deste grupo. Desta forma entendemos a administração de Campo Grande, onde cada um tem sua parcela de responsabilidade e contribuição", finalizou.

Rota Bioceânica

A prefeita ainda falou da importância da Rota Bioceânica para os empresários do Polo. "Há um ano e seis meses abraçamos a Rota Bioceânica e trouxemos ela para Campo Grande. A mão de obra está aqui, as empresas estão aqui, as ofertas de serviços estão aqui. Junto com outros atores de fora vamos ofertar através do Poder Público as informações precisas, criando um protocolo, para que os empresários possam buscar no poder público este caminho. Nosso papel é fazer com que Campo Grande gere mais empregos e melhores condições de vida para todos", afirmou.

A Rota Bioceânica conectará o Centro-Oeste brasileiro aos portos do Norte chileno, transformando Campo Grande (MS) em importante hub regional de produtos para o Brasil, Paraguai, Argentina e Chile; reduzindo a distância, o tempo e o custo, com o acesso via Pacífico, aos principais consumidores de commodities do mundo e também aos grandes polos de tecnologia da Ásia e da América do Norte.

A iniciativa pretende ser uma plataforma de desenvolvimento local que fomentará as economias através de estratégias que permitirão a diminuição das assimetrias regionais, viabilizando potencialidades com o aumento do comércio, turismo, investimentos e intercâmbio acadêmico que serão proporcionados por uma infraestrutura adequada.

Fonte: Prefeitura de Campo Grande - MS