23 de junho de 2021
Campo Grande 30º 17º

Vereadores exigem explicações da secretária sobre Ceinfs e falam em retrocesso na educação

A- A+

A redução do tempo de permanência de 116 crianças entre quatro e cinco anos nos Ceinfs (Centro de Educação Infantil) causou revolta e indignação não só dos pais, mas também dos vereadores.

Para a vereadora da base aliada do prefeito, Carla Stephanini (PMDB), Olarte está cometendo um retrocesso na educação. "Já existe uma lei federal que determina que as crianças fiquem o dia todo na escola e Campo Grande está no caminho inverso reduzindo o tempo de permanência  das crianças na escola, isso é um retrocesso, é um desrespeito com a criança", diz Carla.

Olarte alega que a decisão foi uma tentativa de aumentar número de vagas, devido á falta de novos Ceinfs. A justificativa não convenceu os vereadores. Para Luiza Ribeiro (PPS), se os 12 Ceinfs cujas obras estão paradas desde 2011, e o dinheiro já foi recebido pela prefeito do MEC (Ministério da Educação), o problema não aconteceria. "É um absurdo, lembro que dia 25 de novembro em reunião com profissionais da educação, a secretária Angela Britto disse que faria de tudo para ajudar, mas não está fazendo nada. Com isso quem perde é a criança, que tem um direito negado", diz Luiza.

Já o vereador Paulo Pedra (PDT), anunciou que enviou hoje um requerimento à secretária de educação solicitando a ela que vá à Câmara e explique o real motivo da redução. "A Angela disse que as vagas vão aumentar em 1160, mas isso é uma sacanagem e ela está rasgando o currículo dela, ao invés de solucionar o problema, está pensando em dinheiro. Isso é um ato criminoso contra as crianças", diz Pedra.

Chiquinho, que assim como Carla é da base do prefeito, ironizou  situação devido ao absurdo do caso. "Quero saber quem foi o jumento que teve essa ideia de girico" disse. O vereador cogita convocar uma audiência pública para discutir com a população o assunto e pedir apoio para pressionar o prefeito a reverter a decisão.

Heloísa Lazarini e Tayná Biazus