21 de abril de 2021
Campo Grande 32º 18º

Acúmulo de funções tira Duarte da presidência do PT

A- A+

O prefeito de Corumbá, Paulo Roberto Duarte (PT), rendeu-se à prosaica evidência. Em carta apresentada neste sábado, 3, durante reunião da Executiva, ele formalizou seu afastamento da presidência do Diretório Regional. Justificou a decisão reconhecendo ser impossível exercer a contento as duas funções, situação que já vinha sendo questionada pelas principais lideranças do partido, especialmente o senador Delcídio Amaral e o deputado federal Zeca do PT.

Duarte deu razão às cobranças que vinha sofrendo das lideranças e de militantes, que reclamam dos dirigentes uma dinâmica que não pode prescindir da presença física e política para inteirar-se das demandas que envolvem uma legenda organizada em todo o território sulmatogrossense. Numa comparação simplista, mas capaz de dimensionar a incompatibilidade de exercer com resolutividade as duas atribuições, basta situar a diferença entre gerir um município – Corumbá, com cerca de 110 mil moradores – e conduzir uma das principais legendas que compõem o núcleo político de decisões de um estado com 2.651.000 habitantes.

“Na condição de prefeito de uma das maiores cidades do Estado e diante do cenário que exige das administrações locais esforço redobrado no enfrentamento à crise, tenho a responsabilidade de dedicar toda a minha energia  pessoal e criativa na busca de alternativas para que o desenvolvimento econômico e social da minha cidade não seja interrompido”, assinala. “Hoje, esse desafio é incompatível com a minha permanência na presidência do PT. Deixo o cargo com a certeza de que o Partido está estruturado para construir os seus projetos de futuro””, enfatiza o prefeito. 

O dirigente renuncia lembrando que em um ano e meio à frente do partido diversos desafios foram enfrentados. “Mesmo não conseguindo êxito na eleição para o governo do Estado, a votação expressiva do Senador Delcídio ajudou a eleição de quatro deputados estaduais e dois deputados federais”, contabiliza.

“Investimos na organização dos diretórios municipais e alcançamos a formação de diretórios em 56 municípios, maior índice de organização de todo país; garantimos o protagonismo de todos nossos dirigentes, ampliando a participação e a democratização das decisões;  estreitamos a relação com os prefeitos, criando espaços para debater políticas públicas e fortalecer as experiências bem sucedidas desenvolvidas nos municípios governados pelo Partido; implantamos um sistema de gestão financeira, saneando dívidas e estabelecendo metas”, acrescenta Duarte. 

DESAFIOS - Paulo Duarte destaca que agora cabe ao PT priorizar a busca da renovação interna e na reaproximação efetiva das lutas sociais e democráticas, “efetivando os seus compromissos históricos, superando os erros e realizando as mudanças que o nosso povo exige”. No final da carta, agradece á militância, dirigentes, prefeitos, vices, parlamentares e simpatizantes da sigla, afiançando: 

“Prosseguiremos juntos construindo esse grande partido, ressignificando a sua história, reencantando os seus militantes e fazendo sonhar as novas gerações”.

Livre da complexidade de dirigir uma das maiores forças políticas de Mato Grosso do Sul, Duarte agora deve concentrar-se de vez na administração de um Município que é a principal base político-administrativa do PT no Estado. Dos cinco maior municípios, só Corumbá tem prefeito petista. E para potencializar suas chances de reeleição, Paulo Duarte vai precisar de todo tempo disponível. Uma das necessidades é melhorar sua pontuação nos níveis de aprovação de Governo, que pesquisas recentes situaram em patamares preocupantes para quem tem a ambição de ganhar mais quatro anos de mandato.