14 de junho de 2021
Campo Grande 27º 13º

Amarildo Cruz considera “absurdo” arquivamento do relatório da CPI da Saúde pelo MPE

A- A+

O deputado Amarildo Cruz (PT), considera um absurdo o arquivamento das denúncias de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad e contra o ex-secretário municipal de saúde Luiz Henrique Mandetta apresentadas pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Saúde da Assembleia Legislativa. A denúncia pedia a apuração “de prática improbidade administrativa exposta no Relatório Final da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde”.

“É um contrassenso, eu acho isso um absurdo, porque nós entregamos o relatório, com todo detalhamento, com documento, com fotos e provas, fizemos tudo e com base no que nós fizemos, o Ministério Público Federal abriu procedimento, abriu inquérito e a Controladoria Geral da União também. Só para Ministério Público Estadual, de repente aquilo que nós levantamos para eles não é indício de irregularidades”, afirmou o deputado.

Amarildo disse que ainda não leu o teor da decisão, mas que vai convocar os membros da CPI da Saúde para analisar os motivos e decidir se recorre do arquivamento. “Vou chamar os membros da CPI para dar uma analisada e os advogados para ver se vamos recorrer dessa decisão. Talvez a gente não recorra porque até o Ministério público Federal já abriu procedimento”, disse.

Questionado se esse seria um dos motivos para o arquivamento do procedimento, Amarildo disse que não acredita nessa hipótese, pois senão a CGU (Controladoria Geral da União), teria arquiva também o processo, pois MPF também está investigando e assim sucessivamente. “Várias linhas de investigação muitas vezes em algum setor acaba descobrindo ou chegando a algum ponto que o outro não chegou. Isso na verdade colabora, você vai fundamentando melhor. A nosso relatório serviu de base para a CGU, e ela inclusive cita trechos do relatório final, anexa documentos que fomos nós que levantamos, o MPF também e eu acho que o MPE deveria fazer isso também”, finalizou.

Leide Laura Meneses