13 de junho de 2021
Campo Grande 25º 11º

Azambuja quer MS Gás rentável e propulsora da economia, diz Rudel

A- A+

Confirmado como próximo presidente da MSGás (Companhia de Gás de Mato Grosso do Sul), o engenheiro civil Rudel Trindade Jr disse estar ciente do desafio que o espera, reportando-se ao que lhe exigiu o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) ao convidá-lo para o cargo. “Ele quer uma empresa rentável, que seja uma das molas propulsoras da economia e fomente um novo viés do desenvolvimento, com energia alternativa, limpa e barata”, acentuou. “Em suma: isso tudo se refletirá num item essencial ao Estado: competitividade”, acrescentou.

Rudel reconhece que a companhia enfrentou turbulências por causa de algumas pautas desfavoráveis, como os investimentos não ressarcidos e retração no mapa de serviços, com alguns revezes no plano de expansão, a exemplo do que ocorreu quando a mineradora MMX, de Eike Batista, entrou em processo falimentar. “Isso já está sendo resolvido”, ressalva, certamente referindo-se à decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que aprovou o acordo entre a mineradora e a Vetria Mineração. No acordo, a MMX arrenda direitos minerários de Corumbá para a Vetria, sociedade controlada pela ALL e Triunfo em conjunto com a Vetorial Participações.

Para o engenheiro, ampliar a planta industrial de abastecimento é um dos focos prioritários do novo governo, assim como a massificação do consumo doméstico e veicular do gás natural. O Gás Natural distribuído em Mato Grosso do Sul pela MSGÁS, está entrando cada vez mais nos lares sul-mato-grossenses. Até o primeiro semestre do ano passado, Campo Grande tinha 2.033 residências de 28 condomínios verticais abastecidos com gás natural.

Outro gargalo a ser resolvido é o fornecimento do GNV (Gás Natural Veicular) em Corumbá. Atualmente, só Campo Grande dispõe de uma rede de postos preparados para atender os consumidores. Três Lagoas, observa, é só uma questão de expansão da demanda. Mas Dourados e Corumbá pontuam no arco de necessidades. “Corumbá é o primeiro ponto brasileiro de entrada do gás que vem da Bolívia. É uma cidade de peso econômico diferenciado, com as indústrias minero-siderúrgicas, além de ser um centro turístico que pode se fortalecer”, analisa.

Filho do ex-deputado estadual, ex-prefeito de Aquidauana e ex-conselheiro do Tribunal de Contas, Rudel Espíndola Trindade (já falecido), o engenheiro é uma das mais experientes autoridades nas áreas de gestão pública e planejamento urbano. Seu último cargo era o de diretor-presidente da Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados), na atual gestão do prefeito Gilmar Olarte. Mas, anteriormente, chefiou o Departamento Estadual de Trãnsito (Dettran-MS), no governo de Zeca do PT, e presidiu a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetrat), na gestão de Nelsinho Trad.

Edson Moraes