19 de maio de 2024
Campo Grande 20ºC

INTERNACIONAL

'BNDES financiará gasoduto argentino', diz Lula

Presidente classificou "pura ignorância" críticas ao apoio ao país vizinho

A- A+

O presidente Lula (PT) disse na Casa Rosada, sede do governo argentino, nesta 2ª.feira (23.jan.2023), que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financiará parte da obra do gasoduto Néstor Kirchner.

O chefe do Executivo classificou críticas ao apoio financeiro do Brasil ao empreendimento argentino como “pura ignorância”. “Eu tenho certeza que os empresários brasileiros têm interesse no gasoduto, nos fertilizantes, no conhecimento científico e tecnológico que a Argentina tem. E, se há interesse dos empresários e dos governos, e nós temos um banco de desenvolvimento para isso, vamos criar as condições para fazer o financiamento que gente puder fazer para ajudar no gasoduto argentino” , disse.

O chefe do executivo brasileiro visitou o presidente da Argentina, Alberto Fernández, em Buenos Aires, nesta manhã. Ao saírem, deram uma declaração conjunta à mídia brasileira e argentina.

A 1ª fase do gasoduto foi concluída e, agora, os argentinos buscam ajuda financeira para continuar a obra. O 2º trecho terá cerca de 500 km e ligará os campos de óleo e gás da região de Vaca Muerta até San Jerónimo, na província de Santa Fé.

Em uma fase futura, o gasoduto poderá chegar ao Brasil. "O Brasil está de volta para refazer relações, que nunca deveriam ter sido interrompidas... e criar parcerias comerciais, científicas e culturais com países da América Latina", disse Lula.  

O presidente brasileiro pediu desculpas ao povo argentino por “todas as grosserias e ofensas” feitas pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). “Um país com 16 quilômetros de fronteira com a América do Sul não tem o direito de ficar procurando inimigos. Tem é de construir amigos e parceiros”, comentou Lula.  

Os discursos de Fernández e Lula foram precedidos da assinatura de uma série de protocolos de intenções para parcerias em diversas áreas como economia, defesa, saúde, ciência e tecnologia e de acordo de cooperação na Antártica.

“Portanto, quero dizer com muito orgulho que estou de volta para fazer bons acordos com a Argentina, para compartilhar e para ajudar que os dois países cresçam”, falou o presidente brasileiro.

Lula fez questão de dizer que trabalhará para que o Brasil tenha boas relações com todos os países sul-americanos. 

O ministro do Planejamento, Fernando Haddad, assinou memorando de entendimento com o ministro da Economia argentino, Sergio Massa, para que os dois países estudem formas de comércio exterior em moeda comum, “construída com base no debate”.

Ao ser questionado pela imprensa sobre a participação dos presidentes de Cuba, Miguel Diáz-Canel, e da Venezuela, Nicolás Maduro, em reunião da 7ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), Lula falou que seu papel como presidente do Brasil é de construtor da paz. “Vamos resolver com diálogo, e não com bloqueio econômico, não com ameaça”, disse Lula ao citar o embargo econômico de Cuba pelos Estados Unidos e a invasão territorial da Ucrânia pela Rússia.

Veja os acordos comerciais assinados entre Brasil e Argentina:

1 – Carta de Intenções para o Projeto de Integração da Produção de Defesa Brasil-Argentina
 
2 – Declaração sobre Cooperação entre Ministérios da Saúde
 
3 – Programa Binacional de Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação 2023-2024
 
4 – Memorando de Entendimento entre Ministérios de Ciência, Tecnologia e Inovação sobre Cooperação Científica em Ciência Oceânica
 
5 – Memorando de Entendimento sobre Integração Financeira
 
6 – Acordo de Cooperação Antártica
 
7- Declaração conjunta

À tarde, com o presidente Alberto Fernández, o presidente Lula participou da cerimônia de abertura do Encontro Empresarial Brasil-Argentina. O evento reuniu diversos empresários argentinos.

ACORDOS BILATERAIS 

Integram a comitiva presidencial os ministros Mauro Vieira (Relações Exteriores); Nísia Trindade (Saúde); Luciana Santos (Ciência, Tecnologia e Inovação); Paulo Pimenta (Secretaria de Comunicação Social); Márcio Macêdo (Secretaria Geral da Presidência) e Fernando Haddad (Fazenda). Todos terão participação na assinatura de novas ações de cooperação bilateral.

O primeiro ato assinado foi a "Carta de Intenções para o Projeto de Integração da Produção de Defesa Brasil-Argentina", pelos ministros Mauro Vieira e Jorge Taiana, da Defesa argentina. Em seguida, as ministras da Saúde, Nísia Trindade e Carla Vizziotti assinaram também o documento.

Na área da Ciência, Tecnologia e Inovação, assinam Luciana Santos e Daniel Filmus, ministros no Brasil e na Argentina, respectivamente. Dois atos foram firmados: o Programa Binacional de Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação 2023-2024 e o Memorando de Entendimento entre Ministérios de Ciência, Tecnologia e Inovação sobre Cooperação Científica em Ciência Oceânica.

O ministro Fernando Haddad e o ministro argentino Sergio Massa (Economia) assinam o Memorando de Entendimento sobre Integração Financeira. Por fim, Mauro Vieira, chanceler brasileiro, assina o Acordo de Cooperação Antártica, junto ao ministro argentino Santiago Cafiero.

Nesta terça-feira (24), ainda em Buenos Aires, o presidente Lula participa da VII Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). A Celac está integrada por todos os 33 países da América Latina e Caribe e dedica-se à promoção do diálogo e da cooperação em conjunto amplo de temas -- como saúde, inclusão social, segurança alimentar e energética, desenvolvimento sustentável, transformação digital e infraestrutura para a integração.