29 de maio de 2024
Campo Grande 18ºC

DIPLOMACIA

Com Vander Loubet na comitiva, Lula define como "senso de prioridade" ida à China

Governo brasileiro negocia com a China a construção de um novo satélite

A- A+

Tendo como integrante o deputado federal sul-mato-grossense Vander Loubet (PT), a comitiva do presidente Lula (PT), viaja à China no final deste mês de março de 2023. Vander é vice-presidente da Frente Parlamentar Brasil/China.

Conforme a agenda, Lula deve encontrar-se com o presidente chinês Xi Jinping em 28 de março, em Pequim. A viagem é tida como "senso de prioridade" pelo governo federal, a fim de retomar a diplomacia comercial, enfraquecida na gestão do ex-governo bolsonarista. 

Lula quer devolver ao Brasil o protagonismo em fóruns internacionais e alavancar os países emergentes do Brics — bloco que inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O grupo é responsável por 65% do crescimento do PIB mundial, o que lhes proporciona um valor geopolítico cada vez mais avançado no cenário internacional. 

A China é o país mais bem colocado do BRICS. O Brasil entrou no Brics em 2006, durante o 1º governo Lula. 

O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o banco do Brics, estava sendo comandado por Marcos Troyjo, nomeado em 2020 por Jair Bolsonaro. Ele, porém, deixará a presidência do banco no próximo dia 24 de março. O anúncio foi feito pela instituição em nota publicada na 6ª.feira (10.mar.23).

A nova indicação continua sendo do Brasil e o nome permanecerá no cargo até julho de 2025. Nos últimos dias, a ex-presidente Dilma Rouseff se reuniu virtualmente com o ministros da Economia dos demais países dos Brics. As conversas são uma espécie de "sabatina" pela qual Dilma tem de passar para assumir o cargo.

ETINERÁRIO, NEGOCIAÇÕES E CONVIDADOS

Depois da China, a comitiva brasileira faz um trajeto político até os Estados Unidos, Argentina e Uruguai.

Nessa ida, o governo brasileiro negocia com a China a construção de um novo satélite que pode servir até mesmo para monitorar o desmatamento na Amazônia e observação climática.

Pelo acordo, não haveria uso militar para os novos satélites binacionais. Fontes do Palácio do Planalto e do Itamaraty confirmaram que o tema estará na agenda do presidente Lula durante a viagem à China.

Além de Vander, para compor a comitiva, o presidente brasileiro levará as seguintes personalidades políticas: 

  • Artur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados;
  • Fausto Pinato (PP-SP), presidente da Frente Parlamentar Brasil/China;
  • Carlos Zarattini (PT-SP), vice-presidente da Frente Parlamentar Brasil/China;
  • Luiz Fernando Faria (PSD-MG), vice-presidente da Frente Parlamentar Brasil/China;
  • Gutemberg Reis (MDB-RJ), vice-presidente da Frente Parlamentar Brasil/China Zeca;
  • Dirceu (PT-PR), líder do PT na Câmara;
  • Daniel Almeida (PCdoB-BA), vice-líder do Governo no Congresso;
  • Eduardo da Fonte (PP-PE);
  • Júlio César (PSD-PI);
  • Paulo Alexandre Barbosa (PSDB-SP);
  • Isnaldo Bulhões Jr. (MDB-AL), líder do MDB;
  • José Guimarães - Líder do Governo na Câmara;
  • Alex Manente, líder do Cidadania;
  • André Figueiredo, líder do PDT;
  • Fábio Macedo, líder do Podemos Fred Costa, líder do Patriota;
  • Jandira Feghali, líder do PCdoB;
  • Luís Tibé, líder do Avante;
  • Túlio Gadêlha (Rede-PE).

SENADORES CONVIDADOS:

  • Senador Rodrigo Pacheco - PSD/MG - Presidente do Senado Federal;
  • Senador Renan Calheiros - MDB/AL - Presidente da Comissão de Relações Exteriores;
  • Senador Jaques Wagner (PT-BA);
  • Senadora Jussara Lima (PSD-PI);
  •  Senadora Eliziane Gama (PSD-MA);
  • Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder do Governo no Congresso;
  • Senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO), presidente da Comissão de Assuntos Econômicos.