25 de maio de 2024
Campo Grande 14ºC

SENADORA DA REPÚBLICA

Comovida, Tebet pede convocação de Ministro da Justiça e diretor da PRF

Família barrada em ato golpista comoveu senadora de MS

A- A+

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) apresentou requerimento ao Senado para convocar o Ministro da Justiça, Anderson Torres, e o Diretor-Geral da Polícia Rodoviária Federal, Silvinei Vasques, para que eles e outras autoridades esclareçam que medidas estão sendo tomadas para desobstruir as vias públicas e as rodovias do País.

Ela decidiu apresentar o requerimento após ver o vídeo de um pai sendo impedido de trafegar por uma rodovia de Mato Grosso com o filho que precisava fazer uma cirurgia para não perder a visão.

“Ele é proibido de chegar ao hospital por aqueles que dizem gritar a favor da democracia. Quando na realidade estão fazendo exatamente o contrário, pedindo intervenção militar, discutindo a segurança das urnas e querendo recontagem de votos. (...) Estou apresentando um requerimento ao Plenário convocando o Ministro da Justiça, Anderson Torres, e de outras autoridades para comparecer a este Plenário que medidas estão sendo tomadas para desobstruir as vias públicas, as rodovias. Não impedir a manifestação pacífica e lícita dos cidadãos, isso não. Mas para coibir que qualquer cidadão possa impedir o direito de passagem, o direito de ir e vir de qualquer cidadão”, disse em discurso no Plenário nesta 4ª.feira (23.nov.22).

A senadora salientou: “Ninguém pode impedir esse trânsito, especialmente quando nós estamos falando da integridade física de uma criança”. 

O caso a que Tebet se refere é o de Gabriel, de 9 anos, que estava em um ônibus com outros 24 pacientes da Secretaria de Saúde de MT que foi impedido de seguir viagem na BR-163, bloqueada, próximo ao município de Sorriso (MT). 

O caso repercutiu após um vídeo (abaixo) mostrar o desespero do pai do menino, o autônomo Éder Rodrigues, ao tentar negociar com o grupo de bolsonaristas que bloqueava a rodovia por ser contrário ao resultado da eleição presidencial. O caso aconteceu entre a noite de 2ª e madrugada desta 3ª.feira (22.nov.22).

No vídeo, Éder conversa com o grupo. Mesmo após ouvirem que bloqueavam a passagem da criança com risco de perder a visão e de outros pacientes, participantes golpistas disseramn que iriam impedir a passagem. “Vai a pé. De carro, não passa”, disse um dos golpistas. 

O pai ainda insistiu dizendo que o filho poderia perder o olho, momento em que um dos homens esbravejou: “Eu não tenho problema com o olho do seu filho. Pega um avião e vai. Não vai passar”, gritou um golpista com sotaque sulista. Eis o vídeo:  

O pai seguiu discutindo com os manifestantes e só se afastou após o filho mais velho implorar chorando para o pai abandonar a discusão, com medo de que algo acontecesse. 

Ao g1, Éder contou que, mesmo com o apelo, os pacientes tiveram que retornar. No local, segundo ele, havia cerca de dez homens e alguns deles seguravam facões e foices. “Foi um sentimento de impotência e revolta. Quando um deles disse que não se importavam que meu filho ficasse cego, me exaltei. Só me acalmei quando meu filho mais velho, de 13 anos, começou a falar comigo”, relatou.

O pai relatou que já havia enfrentado outros bloqueios no trajeto e que passou com os demais pacientes por cerca de quatro quilômetros dentro de uma fazenda até conseguirem voltar à rodovia. A cirurgia da criança teve de ser remarcada após o episódio. “Havíamos passado por outros bloqueios naquela noite, porque o trânsito estava liberado para ambulâncias e para quem tinha consulta médica e cirurgia. Neste ponto, fomos barrados”, contou.

O conseguiu chegar à Cuiabá (Capital de MT) na tarde desta 4ª. Gabriel conseguiu chegar à tempo de realizar a cirurgia para retirar uma hérnia e fazer a drenagem de um coágulo de um dos olhos.  A cirurgia começou por volta das 14h e durou quatro horas, sendo bem-sucedida. 

Conforme a família, o olho esquerdo do garoto foi perfurado por um lápis na escola e já tinha feito outros procedimentos para reconstrução do globo ocular. A viagem era para realizar a nova cirurgia.