16 de abril de 2021
Campo Grande 32º 20º

Denúncia contra Cunha pode “comprometer” ainda mais Delcídio, avalia Zeca

Esquivando-se de qualquer avaliação prévia sobre denúncias feitas contra presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/ RJ), de que teria favorecido banqueiro André Esteves com MP (Medida Provisória) em 2013, deputado federal Zeca do PT foi sucinto ao dizer que o fato que tornou-se alvo de investigação na Operação Lava Jato, pode agravar a situação do senador  Delcídio do Amaral (PT/MS), preso desde a última quarta-feira(25) pela Polícia Federal. 

Assim como o senador, André Esteves e o chefe de gabinete de Delcídio, Diogo Ferreira seguem presos por tentarem atrapalhar investigação da Operação Lava Jato. “Essa situação de Cunha é um fato novo, e compromete Delcídio”, resumiu Zeca acrescentando que “ A situação de Delcídio é  muito delicada”, disse.

Nesta segunda-feira (30), Eduardo Cunha afirmou que emenda apresentada pelo peemedebista à Medida Provisória 608 de 2013, não favorecia o banco BTG Pactual, pertencente a André Esteves. No último domingo (29), a PGR (Procuradoria Geral da República) relatou,  em solicitação encaminhada ao STF (Supremo Tribunal Federal), que foi encontrado na residência do chefe de gabinete do senador, documento com anotação indicando um suposto pagamento de R$ 45 milhões do BTG para Cunha.

De acordo com a PGR, o documento apreendido na casa de Diogo Ferreira diz: "Em troca de uma emenda à Medida Provisória número 608, o BTG Pactual, proprietário da massa falida do banco Bamerindus, o qual estava interessado em utilizar os créditos fiscais de tal massa, pagou ao deputado federal Eduardo Cunha a quantia de R$ 45 milhões".

MP

A MP, referia-se a créditos tributários registrados na contabilidade dos bancos  e visava adequar o sistema financeiro brasileiro às exigências de um acordo internacional, denominado "Acordo de Basileia", com regras bancárias mais rígidas. Emenda apresentada por Eduardo Cunha sugeria, à época, a retirada de um artigo que previa que, em caso de falência ou liquidação extrajudicial da instituição financeira, o total do saldo de créditos (direitos) corresponderá ao crédito presumido, isto é , a conversão será integral (um para um). Na hipótese de decretação de falência, esse artigo permitiria a obtenção de crédito por meio da massa falida.