03 de agosto de 2021
Campo Grande 30º 14º

Eleições 2016: presença de Kohl define chances de reeleição em Coxim

A- A+

Se Moacir Kohl (PSB) não disputar e garantir apoio ao correligionário Aluísio São José em 2016, o prefeito Aluízio São José terá tudo para conquistar mais quatro anos de mandato na Prefeitura de Coxim. Kohl – que foi prefeito coxinense duas vezes, vice-governador (na primeira gestão de Zeca do PT) e hoje é o segundo suplente da senadora peemedebista Simnone Tebet -, aparece em dois cenários simulados pela Vale Consultoria e Assessoria Ltda, nos quais sua presença ou ausência entre os concorrentes determina o alcance eleitoral competitividade de Aluízio.

Feita nos dias 23, 24 e 25 deste mês com 300 eleitores do centro e 24 bairros., e dentro de um intervalo de confiabilidade de 95% -, a pesquisa tem margem de erro de 2,4 pontos percentuais (para mais ou para menos). A amostragem indica na consulta espontânea que Moacir Kohl lidera com 13%, seguido de Professor Bira (PDT) e o vereador Sidney Assis (PSDB), com 7%; deputado estadual e ex-prefeito Júnior Mochi (PMDB), com 6%; Aluizio São José (PSB), com 5%; e a vereadora Marilene Gasperin (PSB), com 2%. Com 1% foram citados o vereador Franciel Oliveira (PSB), Dr Clóvis Santana (PSD), Pastor Edson Oliveira (PRB), a ex-primeira-dama Rosely Kohl, a ex-prefeita Dinalva Mourão (sem partido) e o vereador Vilmar Vendrúscolo (PT). Os indecisos constituem um pelotão de 26% do eleitorado e os que pretendem votar em branco ou anular o voto são 28%.

Na estimulada, sem Moacir Kohl entre os candidatos, o prefeito Aluízio dispara na liderança com 35%, à frente de Bira (30%), Marilene (14%), Padtor Edson (5%), Dinalva (4%) e Ruberval (1%). Os indecisos somam 3% e os que disseram votar em branco ou anular são 8%. Como se pode observar, teoricamente se fossem de partidos diferentes Aluizio seria batido por Kohl. Mas, no mesmo PSB, o atual prefeito precisa do apoio de Kohl para se reeleger – isto se a cúpula partidária não entender que o ex-prefeito seja a alternativa mais viável para o enfrentamento dos adversários em 2016.

REJEIÇÕES - A tabela de rejeições – aquela em que o eleitorado diz qual das candidaturas não apoiaria de jeito nenhum – é outro item a ser considerado. As presumíveis candidaturas mais rejeitadas pelos coxinenses são as de Dinalva (47%), Pastor Edson (19%), Bira (11%), Aluísio (10%), Ruberval Ferreira Jr (7%) e Marilene Gasperin (1%).

A Vale Consultoria quis saber também quais os principais problemas da cidade e 40% dos coxinenses disseram ser a saúde. Para 26% é a falta ou a precariedade de asfalto, enquanto 19% apontaram o desemprego e 3% questionam a falta de fiscalização de condutores de veículos que dirigem sem a Carteira de Habilitação.

Avaliação de governos - Se nas intenções de voto os números sinalizam situações contraditórias para Aluizio São José, a compensação vem nos índices de aprovação de seu governo: 44% da população o considera ótimo ou bom e só 9% o classificam ruim ou péssimo. É grande o contingente de quem considera regular a administração: 41%.

Sobre os governos em outras instâncias, o eleitor de Coxim põe a administração do governador Reinaldo Azambuja nos seguintes patamares: 43% de ótima/boa; 50% de regular; 3% de ruim/pésima; e 4% não sabe/não responderam.Quanto ao governo de Dilma Roussef, apenas 8% o enquadram em ótimo ou bom, ao passo que 74% desaprovam, com citações de ruim e péssimo, e 16% consideram regular. Por fim, a pesquisa ouviu a opinião popular sobre os vereadores mais atuantes. Os mais citados foram: Sidney Assis (46%), Franciel Oliveira (6%), Johni Guerra Gai (1,6%), Vladimir Ferreira, Lúccia da AAVC e Marilene Gasperin (1%).