25 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 21º

DECLARAÇÃO

Em vídeo duro, Felipe Neto aponta erros claros de Jair Bolsonaro: "querem nos pôr medo"

Assista o vídeo completo publicador peloinfluenciador após a família presidencial tentar o coagir com intimação:"descabida", diz Neto

A- A+

Intimado a depor por ter chamado o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de genocida em razão da sua gestão à frente da pandemia da Covid-19, o youtuber Felipe Neto fez um Pronunciamento a respeito da acusação de crime contra a segurança nacional, procedimento foi aberto a partir de pedido do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente.

Neto é investigado sob suspeita do crime de calúnia, com base na Lei de Segurança Nacional, editada durante a ditadura militar.

Na última semana, Carlos Bolsonaro afirmou nas redes sociais que encaminhou queixa-crime contra Felipe Neto e contra a atriz Bruna Marquezine por supostos crimes contra Jair Bolsonaro. A Lei de Segurança Nacional prevê a reclusão de um a quatro anos de prisão para quem for condenado por caluniar ou difamar o presidente. Já o Código Penal determina detenção de seis meses a dois anos, e multa, para o crime de calúnia.

O youtuber afirmou no Twitter, nesta segunda-feira (15.mar), que um carro da polícia trouxe a intimação até sua casa. "Carlos Bolsonaro foi no mesmo delegado que me indiciou por corrupção de menores", escreveu.

Neto também disse que usou o termo genocida diante da nítida ausência de política de saúde pública em meio à pandemia, o que contribuiu para a morte de brasileiros.

"A clara tentativa de silenciamento se dá pela intimidação. (...) Já disse e repito: um governo deve temer seu povo, nunca o contrário. Carlos Bolsonaro, você não me assusta com seu autoritarismo. Não vai me calar", escreveu.

No final desta noite o YouTuber, já mais calmo, fez um vídeo onde afirmou que a família Bolsonaro tenta pôr medo no povo, com intuito de calar aqueles que são contrários às atitudes políticas de Bolsonaro. Veja abaixo: