22 de maio de 2024
Campo Grande 24ºC

EX-POLICIAL DO PL

Gabriel Monteiro é cassado e já pede voto: "Serei o Deputado Federal mais combativo"

Político carioca é acusado de estupro, assédio e produção de pornografia infantil

A- A+

Gabriel Monteiro (PL) teve o mandato de vereador do Rio de Janeiro cassado (a íntegra) na noite desta quinta-feira (18.ago.2022). Foram 48 votos a favor e 2 contrários à perda do mandato do youtuber e ex-policial. A íntegra de como votaram, cada.

O político carioca é acusado de estupro, assédio e produção de pornografia infantil. Além dele, apenas o vereador Chagas Bola (União Brasil) votou para manter seu mandato.

Segundo o presidente da Câmara, Carlo Caiado (sem partido), a cassação se deu por “conduta incompatível com decoro parlamentar”. Em 11 de agosto, o Conselho de Ética da Casa aprovou por unanimidade o relatório que pedia a cassação de Monteiro.

O documento foi redigido pelo vereador Chico Alencar (Psol) e considera acusações feitas pelo programa Fantástico, da Rede Globo. Eis a íntegra.

Segundo o relatório, ele teria cometido quebra de decoro parlamentar ao cometer as seguintes infrações:

  • filmagem de vídeo íntimo com menor de idade;
  • exploração da imagem de crianças vulneráveis a fim de “enriquecimento e promoção pessoal”;
  • exposição abusiva e violência contra pessoa em situação de rua;
  • assédio sexual e moral contra funcionários;
  • perseguição de vereadores com intuito de “retaliação ou promoção pessoal”;
  • utilização de sua equipe de esfera pública para favorecimento de empresa privada;
  • denúncias de estupro por 4 mulheres.

Carlos Bolsonaro (PL) não votou, pois está licenciado do mandato até 2 de agosto para cuidar das mídias sociais do pai, o presidente Jair Bolsonaro (PL), que é candidato à reeleição. 

Minutos após ser cassado, Gabriel Monteiro (PL) disse em suas redes sociais que Deus lhe deu e tirou seu mandato. O ex-vereador aproveitou para fazer campanha eleitoral para si e sua irmã, divulgando o número da urna dos dois. Monteiro é candidato a deputado federal e Giselle Monteiro candidata a deputada estadual, também pelo Partido Liberal.

"Fui eleito e em menos de dois anos provei que função de Vereador é fiscalizar e não ficar curtindo ar condicionado no gabinete. Deus me deu o mandato, Deus tomou o mandato, glória a Deus por tudo. Serei o Deputado Federal mais combativo", escreveu o ex-vereador em suas redes sociais.

O PSOL deve acionar o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) esta sexta-feira pedindo a impugnação da candidatura de Gabriel Monteiro a deputado federal.

— Quem tem comportamento bárbaro e não civilizado tem que ser banido. O registro da candidatura a federal tem que ser questionada. É incoerência poder se candidatar. A garota que fez o registro mandou um áudio integral. E Gabriel tentou culpar a vítima. Mas quem tem que avaliar agora é a Justiça eleitoral — disse o relator do processo Chico Alencar (PSOL).

Para Alexandre Isquierdo, presidente do Conselho de Ética da Câmara do Rio, a decisão foi imparcial:

— A Câmara como instituição sai fortalecida. Não houve corporativismo. Fomos coesos e imparciais. O próprio resultado de 48 a 2 mostra isso. Questões ideológicas foram deixados de lado. Foram dois processos de cassação em dois anos. E a Casa trouxe hoje uma resposta para toda a sociedade. Cada vereador teve a chance de expressar seu voto com consciência e responsabilidade- disse Isquierdo, relembrando o processo de Jairinho, cassado em 2021.

A resolução que confirma a decisão da cassação foi assinada nesta quinta-feira pelo presidente da Câmara Carlo Caiado.

"Fica declarada a perda do mdato do vereador Gabriel Luiz Monteiro de Oliveira, do Partido Liberal - PL, por conduta incompatível com o decoro parlamentar", diz trecho da resolução.