19 de maio de 2024
Campo Grande 18ºC

ESCRAVIDÃO CONTEMPORÂNEA

Irmão de prefeito em MS: pecuarista recua e vai pagar indenização de R$ 90 mil a idoso

Trabalhador foi resgatado durante operação conjunta realizada na região do Pantanal de MS

A- A+

O pecuarista Natanael Ribeiro Cintra, de 73 anos, irmão do prefeito Nelson Cintra (PSDB), recuou de “peitar a justiça do Trabalho em Mato Grosso do Sul”, após ser flagrado mantendo um paraguaio em condições de trabalho análogas à escravidão na fazenda Matão, em Porto Murtinho (MS).

Mostramos esse caso aqui no MS Notícias. O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT-MS), disse na sexta (22.jul), que os advogados do pecuarista haviam se negado a negociar para pagar os mais de 20 anos de exploração de mão de obra do trabalhador, entretanto, após o caso ser divulgado à imprensa, o pecuarista que estava no Canadá, recuou e mandou “fechar o acordo com o MPT”. 

Ainda na tarde da sexta (22.jul), o MS Notícias adiantou que a advogada de Natanael estava numa sala no MPT para fechar um acordo. Naquele momento, entretanto, o acordo ainda era incerto.

Na manhã deste sábado (23.jul), o órgão disse que, por fim, foi celebrado um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), subscrito pelo procurador do Trabalho Paulo Douglas de Moraes, o defensor público federal Rodrigo Esteves e o auditor-fiscal Antonio Parron, integrantes da força-tarefa que resgatou o trabalhador, além das representantes legais da fazenda, as advogadas Ana Carolina Rezende e Paula Coelho Barbosa Tenuta.

Conforme o MPT, Natanael se comprometeu a depositar, retroativamente, todas as verbas rescisórias devidas ao trabalhador – as contribuições ao FGTS, férias e parcelas do 13º salário, desde admissão até a momento atual – que totalizam R$ 60,8 mil.

“A título de reparação às condições extremante vulneráveis as quais o idoso foi exposto, por duas décadas, o MPT também estabeleceu o pagamento de dano moral individual pelo empregador, no valor de R$ 30 mil. Com isso, as indenizações ao idoso somam pouco mais de R$ 90 mil. A violação ou o retardamento no cumprimento destas obrigações implicarão em multa de R$ 100 mil, a serem revertidas ao trabalhador”, explicou o órgão trabalhista. 

Outro compromisso assumido pelo empregador foi de providenciar e custear a regularização dos documentos de identificação da vítima. “Ocorre que sequer foi possível precisar a idade do trabalhador, já que ele não pôde apresentar um documento de identificação oficial. Após auxiliá-lo a providenciar a documentação, o empregador deverá abrir uma conta salário em banco, no nome dele, para fins de depósito das indenizações”, esclareceu o MPT.

Também foi estabelecida a realocação do idoso para o alojamento disponibilizado aos demais trabalhadores da Fazenda Matão, ou adequar, de forma permanente, o espaço antes destinado a ele, onde ficavam armazenados agrotóxicos e outros materiais e equipamentos de uso da propriedade. 

Caso o trabalhador, que após o resgate foi levado para a casa de parentes, no município de Guia Lopes da Laguna, opte por não retornar à propriedade, o dono da fazenda deverá custear, pelo período de 60 dias, a hospedagem dele em pousada/pensão, considerando que o TAC estabelece igual prazo para que o empregador efetue o pagamento das indenizações ao idoso. 

Vamos lembrar que o MPT disse que a fiscalização constatou que os trabalhadores tinham acesso à cidade mais próxima, Bonito (MS), apenas uma vez ao mês, e eram conduzidos na carroceria de um caminhão, por mais de 130 quilômetros, em uma estrada de chão, com visibilidade severamente prejudicada pela poeira, o que colocava a integridade física deles em risco constante, além de configurar um cerceamento do direito de ir e vir destas pessoas.  

Devido a isso, além da reparação individual deste trabalhador resgatado, foi estabelecido, no acordo, a regularização emergencial de uma das questões envolvendo o ambiente de trabalho da Fazenda Matão. “Deverá ser providenciado um veículo adequado para o transporte periódico dos trabalhadores da propriedade à zona urbana mais próxima, e vice-versa, bem como para o atendimento de demandas urgentes, observando-se as normas de saúde e segurança previstas na legislação, com vedação e sistema de filtragem capaz de impedir o ingresso de poeira no interior da cabine e no local de acomodação dos trabalhadores. O não cumprimento desta obrigação resulta em multa de R$ 10 mil, por trabalhador prejudicado”, completou o MPT. 

DANOS MORAIS COLETIVOS 

A multa a ser paga pelo proprietário da Fazenda Matão, a título de dano moral coletivo – cujo valor será revertido para o aparelhamento de entidades ou instituições, sem fins lucrativos, e que promovam direitos sociais – bem como novas obrigações relacionadas ao ambiente de trabalho na propriedade, e que visam corrigir as irregularidades identificadas pela Auditoria-fiscal do Trabalho no decorrer do flagrante e, sobretudo, à proteção de futuros trabalhadores contratados para a execução dos serviços rurais, serão estabelecidas, a pedido das advogadas, em audiência futura.  

DENUNCIE

Todo cidadão que presenciar pessoas atuando de formas que caracterizem o trabalho análogo ao de escravo (em condições degradantes de trabalho; sob jornadas exaustivas; trabalho forçado ou por servidão por dívida) pode denunciar ao MPT. 

Basta acessar o site: www.prt24.mpt.mp.br/servicos/denuncias 

Ou pelo MPT Pardal, aplicativo do MPT voltado para denúncias. 

Referente ao IC 000404.2022.24.000-0