19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

Jerson contesta real motivação de TCE em não aposentar José Ricardo

A- A+

O deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, Jerson Domingos (PMDB) considerou o ato de anulação da aposentadoria do conselheiro José Ricardo Pereira Cabral do TCE (Tribunal de Contas do Estado) como uma rebeldia por parte do Tribunal.

De acordo com Jerson Domingos, amanhã será apreciado pelos deputados da Assembleia Legislativa a indicação de Antonio Carlos Arroyo (PR) como novo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado.

O deputado disse ainda, que é direito do TCE contestar depois, mas segundo Jerson isso foge das prerrogativas legais da indicação da vaga. Para Domingos, o Tribunal agindo dessa forma vai contra um decreto e um dever que é do governador André Puccinelli (PMDB) de indicar a vaga e ser apreciada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

“Não consigo entender porque o Tribunal está querendo interferir em uma decisão do governador. Começo a entender que o TCE está querendo usar de meios para indicar um futuro conselheiro se não o Arroyo. É muito estranho essa rebeldia”.

Questionado pela reportagem do MS Notícias se essa rebeldia poderá ser pelo fato do conselheiro Valdir Neves assumir a presidência do Tribunal no ano que vem, Jerson afirma que prefere não tecer comentários até porque segundo ele, todos os conselheiros que estão hoje no Tribunal de Contas com exceção de José Ricardo fizeram sua indicação atribuída por ele.

Jerson fez questão de deixar claro que não há nenhum impedimento para que o nome do deputado Arroyo seja apreciado e confirmado amanhã como conselheiro do TCE.

“Eu não interferi na tramitação da aposentadoria de José Ricardo. Nem eu, nem Arroyo e nem o governador. A indicação da vaga volto a dizer, é uma prerrogativa do governador. Se eles querem contestar que contestem, mas que não joguem para cima da Assembleia esse problema”, finaliza Jerson Domingos.

Karla Machado e Heloisa Lazarini