23 de setembro de 2020
Campo Grande 31º 17º

DEPUTADO FEDERAL

Julgamento de Vander Loubet na Lava Jato começa com votos para total absolvição

O parlamentar sul-mato-grossense viu sua vida virar de pernas para o ar em março de 2015

Foi iniciado nesta 6ª-feira (14. agosto) o julgamento do deputado federal Vander Loubet (PT-MS), pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), na Ação Penal 1019, resultado de acusações feitas no âmbito da Operação Lava Jato.

O primeiro a se manifestar foi o relator da ação, ministro Edson Fachin. Conhecido pelo seu rigor no julgamento das ações da Lava Jato, Fachin votou pela total absolvição de Vander e de outros acusados nessa ação. 

"Ante o exposto, porque não comprovados os fatos narrados, julgo improcedente a denúncia para (i) absolver os acusados Vander Luiz dos Santos Loubet e (...) com fundamento no art. 386, II, do Código de Processo Penal; e (ii) absolver os acusados Vander Luiz dos Santos Loubet (...) no tocante às acusações remanescentes, com fundamento no art. 386, VII, do Código  de Processo Penal. É como voto.", escreveu o ministro relator.

Acompanhando Fachin, o revisor da ação, ministro Celso de Mello, reforçou a inocência do deputado diante das acusações.

"Desse modo, e na condição de Revisor, manifesto- me de pleno acordo com o eminente Ministro Relator na resolução desta causa penal, julgando improcedente a presente ação penal e decretando, em consequência, a absolvição de todos os réus, com apoio no art. 386, incisos II e VII, do Código de Processo Penal, eis que o Ministério Público não se desincumbiu do ônus de comprovar, para além de qualquer dúvida razoável, os fatos constitutivos da acusação penal que deduziu.", pontuou em seu voto Celso de Mello.

Resta ainda serem divulgados os votos dos demais três ministros que compõem a Segunda Turma : Gilmar Mendes, Carmém Lúcia e Ricardo Lewandowski. Entretanto, para o deputado Vander Loubet, os votos de Fachin e Mello o deixam confiante de que sua inocência no caso será devidamente confirmada.

"O voto do ministro Fachin, pela minha total absolvição, acompanhado pelo voto do ministro Celso de Mello, confirma aquilo que tenho dito e repetido desde o início dessa investigação e desse processo: não pratiquei nenhum crime, nenhum ilícito penal", destaca Vander.

TURBULÊNCIA 

Acusado pela Operação Lava Jato pelo suposto pagamento de propina, o parlamentar sul-mato-grossense viu sua vida virar de pernas para o ar em março de 2015, quando as acusações foram noticias pela mídia nacional. Desde então, apesar de sua inocência, Vander passou a ser alvo de agressões verbais e discursos de ódio nas mídias sociais e em locais públicos. O deputado também foi alvo de inúmeras reportagens na imprensa, que davam destaque apenas às acusações infundadas da Lava Jato, sempre dando ao comportamento de Vander uma conotação criminosa. Contudo, o parlamentar ressalta que jamais se deixou contaminar por esses ataques.

"Apesar de toda a turbulência política e pessoal que essa acusação da Operação Lava Jato causou a mim e à minha família, sempre dormi o sono dos justos, já que nunca deixei de confiar no Poder Judiciário Brasileiro. Sabia que o andamento do processo revelaria e comprovaria a minha inocência", afirma Vander. "Aos amigos e amigas, que sempre me confiaram sua solidariedade, e ao povo sul-mato-grossense, que me reelegeu em 2018, quero externar minha sincera gratidão e reafirmar o compromisso de continuar trabalhando pelo bem estar da nossa população, como sempre trabalhei, desde o primeiro dia no qual fui investido em um cargo de natureza pública", conclui.

AO LEITOR - *O MS Notícias ERROU! O título da reportagem em data e horário original de veiculação, às 12h27 de 14 de agosto de 2020, continha erro de grafia, em que a palavra "JULGAMENTO", foi escrita faltando adição correta do 'l' entre as palavras 'u' e 'g'. Pelo erro o site pede perdão e fez a correção às 22h19 deste mesmo dia.