06 de maio de 2021
Campo Grande 25º 16º

Mandetta não tem moral para criticar financiamento da saúde, diz deputado

A- A+

Petistas rebateram hoje as críticas feitas pelo deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM) de que o orçamento impositivo amarra o financiamento da saúde pública no Brasil. Segundo eles, a fórmula usada pelo governo da presidente Dilma Rousseff (PT) repete modelos que dão certo e mostram a boa vontade do governo federal em negociar.

Para o deputado federal Vander Loubet (PT), os valores podem até ser discutidas no futuro como deseja Mandetta que busca recolher 170 assinaturas para fazer emendas ao projeto, mas o orçamento impositivo deve ser aprovado primeiramente em consonância com os interesses do governo federal.

“Neste momento é importante um entendimento com o governo para consolidar o orçamento impositivo. Até porque é uma reinvindicação antiga e também evita essa coisa de que o governo utiliza de sua base, pagando emendas, para ter os votos dos parlamentares. É extremamente importante para o Brasil que o Congresso aprove”, declarou.

Já o deputado estadual Amarildo Cruz (PT) lembra que o governador André Puccinelli (PMDB) usa do mesmo artificio para liberar as emendas parlamentares em Mato Grosso do Sul que devem ser destinados para a saúde, educação e assistência social e destaca que o modelo funciona.

“Eu acho que as coisas são feitas no limite daquilo que é possível fazer. Acho que o governo trabalha com essa perspectiva do que é possível fazer conforme suas obrigações e suas metas a cumprir. Determinar os valores a serem investidos na saúde e educação é maneira de viabilizar essa verba. Esta dentro do que é possível para que o governo possa cumprir”, ressaltou.

Amarildo ainda vai mais longe e rebate que Mandetta não possui credibilidade para criticar o governo petista sobre o financiamento da saúde porque já foi investigado por diversas irregularidades que teriam sido cometidas durante o tempo que geriu a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) de Campo Grande durante a gestão do ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB).

“Primeiro, o DEM (Democratas) nasceu contra o PT (Partido dos Trabalhadores). Até aí, normal, faz parte da democracia. Segundo, acho que o deputado Mandetta não tem moral para fazer esse tipo de acusação ao governo Dilma. Ele tem explicar os R$ 10 milhões gastos no Gisa. Tem que explicar por que ele foi viajar no avião bancado pela empresa que deveria implantar o programa que até hoje não funciona em Campo Grande. Podem falar o que quiser do Bernal (Alcides, PP), mas os números mostram que a saúde em Campo Grande mudou para melhor”, alfinetou.

Diana Christie