23 de junho de 2024
Campo Grande 23ºC

LOUCURAS DE MS

Pai do ET Bilu de MS viraliza descoberta fake da civilização de 'Ratanabá'

Doze anos após 'abalar o mundo com ET de Corguinho', bolsonarista Urandir volta a viralizar

A- A+

Conhecido como “pai do ET Bilu” supostamente publicizado em 2010 em Corguinho (MS), o bolsonarista Urandir Fernandes de Oliveira, de 58 anos, Presidente da Associação Dakila Pesquisas, viralizou na internet neste mês de junho de 2022 ao anunciar um suposta nova descoberta – a cidade de  ‘Ratanabá’ – uma civilização secreta no coração da Amazônia

Milhares de postagens que viralizaram no TikTok, no Twitter e no Instagram, detalham o boato espalhado por Urandir de que há uma cidade “maior que a Grande São Paulo” no coração da Amazônia, tal lugar, seria “a capital do mundo” e “esconde muita riqueza, como esculturas de ouro e tecnologias avançadas de nossos ancestrais”. O fake começou a circular em meio as citações da Amazônia na internet em razão das buscas do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Pereira.

 “Tudo isso é um delírio”, avalia o arqueólogo Eduardo Goés Neves, professor do Centro de Estudos Ameríndios da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Laboratório de Arqueologia dos Trópicos do Museu de Arqueologia e Etnologia da mesma instituição.

Há mais de 30 anos, o especialista integra uma rede de pesquisadores que trabalham para revelar o passado da Amazônia e dos povos que viveram e ainda vivem por lá.

Na avaliação dele, o surgimento de histórias como a de Ratanabá, que não têm fundamento algum nas publicações científicas recentes, presta um “desserviço à arqueologia”.

“Há mais de 20 anos os arqueólogos que atuam na região defendem que existiam cidades na Amazônia, mas isso era visto como coisa de maluco”, conta.

“Com o passar do tempo, a perspectiva foi mudando e a comunidade acadêmica começou a aceitar que, sim, existem evidências de sítios de grande dimensão, estradas e aterros construídos há muito tempo”, continua o especialista, que reforça que essas descobertas não têm nada a ver com civilizações antigas ou tesouros ocultos.

“Agora, todo o nosso esforço pode quase voltar à estaca zero com a história de Ratanabá e a propagação de informações das maneiras mais estapafúrdias possíveis”, completa.

RATANABÁ: DE ONDE SURGIU A FAKE NEWS

O Dakila Pesquisas, que não tem qualquer vinculação com institutos de pesquisas de universidades ou órgãos oficiais e nem artigos em publicações científicas, seria o autor da suposta descoberta da civilização Ratanabá.

Os ditos pesquisadores da Dakila em junho começaram a divulgar o anúncio da chamada “cidade perdida” há 450 milhões de anos. Nenhum deles têm currículo Lattes ou dizem quais são suas formações que levariam à tamanha descoberta. Fazendo uma pesquisa na internet logo se descobre os ideais da Dalika: defender a terra plana, que a Amazônia não queima, e atuar contra a vacina. Eles se dizem cientistas, mas são contra a ciência.

O CEO é Urandir Oliveira, reconhecido como aspirante em ufologia.

Em 2010 Urandhir chegou a ser destaque no jornalismo “investigativo” da Record que exibiu no horário nobre da emissora uma reportagem onde afirmava realizar sessões de “conversa” com um extraterrestre chamado “ET Bilu” – foi quando ficou conhecido como pai do suposto extraterrestre que vive nas montanhas de Corguinho.

Pelo feito da descoberta do ‘ET Bilu’, em 2019 Urandir chegou a ser homenageado pela Câmara Municipal de Campo Grande – recebendo do ex-vereador (derrotado em 2020) Dr. Antonio Cruz, o Título de Cidadão Campo-grandense. Depois Urandir foi homenageado na Assembleia de Legislativa do Mato Grosso do Sul.

Sua tese de que a “Amazônia não queima” chegou a ser levada por Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Anual da Organização das Nações Unidas – ONU de 2020. Ele repete a teoria em relação ao Pantanal.

A descoberta de Ratanabá, no entanto, não é nova. Há mais de 10 anos o CEO vem falando dessa cidade. Segundo os pesquisadores da Dakila, Ratanabá é o real interesse dos estrangeiros do Brasil, das ONGS internacionais e até de Elon Musk, todos estariam atrás desse grande tesouro soterrado.

Urandir chegou a ser recebido pelo ex-secretário da Cultura de Bolsonaro Mario Frias em Brasília em 2020 para explanar sua pesquisa. 

Antivacina e terraplanista, entre as teses de Urandir Oliveira: a pandemia é uma arma biológica e 87% da população mundial tem uma limitação intelectual e por isso se vacina.

Agora por que Ratanabá voltou com força nesta semana? Talvez porque Dom Phillips e Bruno Pereira ainda estivessem desaparecidos na Amazônia. E o fato de o governo ter sido moroso nas buscas e no envio de esforços para encontrá-los, como denunciou a ONU.

A seguir, confira porque os principais argumentos utilizados para falar sobre a “cidade perdida na Amazônia” não fazem sentido — e o que as evidências científicas revelam sobre a ocupação humana na maior floresta tropical do mundo.

Urandir explica sua teoria neste vídeo, indicando situações distorcidas, mas as sustenta:

UMA CONTA QUE NÃO FECHA

O primeiro detalhe que chama a atenção nas postagens sobre Ratanabá são as datas utilizadas. Em alguns textos, está escrito que a civilização teria existido ali há 350, 450 ou até 600 milhões de anos.

“Isso não faz o menor sentido do ponto de vista da história geológica e biológica do nosso planeta”, responde Neves.

Para ser ter ideia, nem os dinossauros existiam há 350 milhões de anos. Nossos ancestrais mais antigos viveram há mais ou menos 6 milhões de anos. Mas a nossa espécie mesmo, o Homo sapiens sapiens, surgiu há 350 mil anos na África”, estima.

Ou seja: há um erro de cálculo de, pelo menos, 349.650.000 anos nessa história.

“Se alguém falasse que existiram cidades na Amazônia há 3.500 anos eu até pensaria que essa era uma questão para tentar entender melhor e pesquisar. Agora, uma civilização há 350 milhões de anos? Não existe a menor possibilidade disso”, assinala o arqueólogo.

METRÓPOLES DO PASSADO, PEQUENAS CIDADES DE HOJE

A segunda informação completamente errada sobre Ratanabá tem a ver com o suposto tamanho da cidade. Algumas postagens dizem que ela seria maior que a Grande São Paulo.

Mais uma vez, isso está em desacordo com as evidências científicas. “Ainda não temos uma estimativa exata de quantas pessoas viviam nessas cidades da Amazônia, mas certamente elas não tinham o tamanho de São Paulo de jeito nenhum”, diz Neves.

“Para ter ideia, no século 16, as cidades mais populosas do mundo provavelmente eram Istambul, na Turquia, e Tenochtitlán, no México. E elas tinham 50 mil, no máximo 200 mil habitantes”, calcula o professor da USP. Atualmente, a Grande São Paulo abriga cerca de 22 milhões de habitantes.

Neves calcula que, antes da chegada dos europeus nas Américas, existiam cerca de 10 milhões de indígenas em toda a Amazônia. “E esse número caiu muito a partir do século 17 por conta das guerras e das epidemias”, ensina.

LINHAS RETAS NO MEIO DA SELVA

O terceiro argumento que confere musculatura aos boatos sobre Ratanabá tem a ver com túneis encontrados na região amazônica ou com imagens aéreas, que mostram linhas retas e quadrados perfeitos, visíveis entre as copas das árvores.

Esses túneis, defendem as postagens nas mídias sociais, serviriam de passagem secreta e conectariam diversas partes da América do Sul.

As linhas retas, por sua vez, não existem na natureza e seriam fruto de trabalho humano, garantem os boatos.

Neves esclarece que realmente existem túneis na Amazônia. “As imagens divulgadas provavelmente vêm da região do Forte Príncipe da Beira, em Rondônia, que era um posto colonial português.”

“Essas construções estão relacionadas às disputas de fronteira entre Espanha e Portugal nas proximidades do rio Guaporé ao longo do século 18”, esclarece. 

Mas e as linhas retas? Pelas poucas imagens disponíveis, Neves acredita que elas sejam de uma região próxima da fronteira entre os estados do Mato Grosso, Pará e Amazonas.

“Essas formações são conhecidas há muito tempo e realmente parecem linhas perpendiculares, o que é uma coisa incomum”, avalia.

“As principais suspeitas são de que seja uma formação natural de calcário ou algum tipo de rocha que segue esse padrão”, diz o arqueólogo.

“É improvável que aquilo seja de autoria humana. Mas, caso realmente tenha sido feito pelos povos locais, essas construções não devem ter mais do que 2,5 mil anos”, completa.

O QUE PODE ESTAR POR TRÁS DO INTERESSE NO TEMA

Neves, que não possui nenhum perfil nas redes sociais, confessa que nunca tinha ouvido falar de Ratanabá até a segunda semana de junho de 2022.

“Quando começaram a me perguntar sobre isso, até fui pesquisar e consultar outros colegas que estudam a arqueologia amazônica, mas ninguém conhecia essa história”, relata.

Embora existam perfis nas redes sociais e até livros publicados sobre a tal “civilização perdida” nos últimos anos, o tema só ganhou o interesse popular e foi virar um assunto amplamente comentado nos últimos dias.

Na avaliação de Neves, o fenômeno pode ser explicado por uma série de fatores.

“Me parece uma mistura da ingenuidade das pessoas, que querem acreditar nesse tipo de coisa, com interesses econômicos de exploração da Amazônia”, especula o especialista, que lembra de outras lendas parecidas, como a cidade de Eldorado, alvo de exploradores ao longo dos séculos por supostamente ser feita de ouro.

“E também não podemos ignorar o racismo nesse contexto. Quando se fala que existiram civilizações ‘avançadas’ há 300 milhões de anos, você está retirando dos povos ancestrais, que são os antepassados dos indígenas de hoje, a autoria de todas aquelas construções”, acrescenta.

“É algo parecido ao que vemos no livro Eram os Deuses Astronautas?, de Erich von Däniken. Ali, soa mais fácil explicar que as pirâmides do Egito foram construídas por seres extraterrestres do que dar o crédito aos povos africanos”, compara.

“E tudo isso denota um profundo racismo com todas as populações não europeias, como os indígenas e os africanos, como se elas não fossem capazes”, interpreta.

Por fim, o arqueólogo opina que o fato de lendas do tipo ganharem fôlego justamente agora serve como uma espécie de balão de ensaio.

“Elas funcionam como cortina de fumaça num momento em que temos duas pessoas desaparecidas e desviam a atenção do real problema da violência na Amazônia”, completa.

(FALTA DE) PEDRAS NO CAMINHO

Neves explica que a arqueologia amazônica enfrentou grandes percalços ao longo das últimas décadas.

“De forma geral, a Amazônia tem poucas rochas. Então, a principal matéria-prima utilizada nas construções do passado eram terra e madeira”, contextualiza.

“Para compreender esses períodos, precisamos de uma equipe multidisciplinar, capaz de trabalhar com objetos que foram deixados e resistiram ao tempo, como cerâmicas, restos orgânicos, amostras de solo, pedaços de comida, sementes e ossos”, exemplifica.

Para ilustrar essa dificuldade, Neves cita como exemplo um artigo publicado há poucas semanas no periódico científico Nature por especialistas de universidades britânicas e alemãs.

A pesquisa revelou os detalhes de dois grandes sítios arqueológicos de 147 e 315 hectares (uma área equivalente a 205 e 441 campos de futebol, respectivamente), inclusive com a existência de pirâmides, na Amazônia boliviana.

“Essas estruturas de terra são conhecidas há 60 anos, mas era muito difícil definir se eram naturais ou foram construídas por seres humanos”, avalia o arqueólogo.
“Só foi possível obter essa resposta agora, porque temos uma tecnologia chamada Lidar capaz de fazer esse tipo de análise.”

O FUTURO DEPENDE DO PASSADO

Mas, afinal, diante das evidências científicas disponíveis no momento, o que os cientistas sabem sobre a história dos povos que habitaram essa região?

“Sabemos que a Amazônia foi densamente ocupada no passado e que os povos que viveram lá deixaram marcas muito visíveis do modo de vida que tinham, com valas em formato geométrico e estradas lineares”, resume Neves.

“E temos dados que nos mostram de forma muito segura uma relação direta entre os indivíduos que fizeram essas construções no passado e os povos indígenas de hoje.”

“Não se trata, portanto, de uma civilização perdida, que desapareceu há milhões de anos”, assegura o pesquisador.

De acordo com o Painel Científico para a Amazônia, publicação coordenada pela Organização das Nações Unidas (ONU) que tem um capítulo sobre os povos que viviam na região antes da chegada dos europeus, há evidências de que essa floresta tropical é ocupada por indígenas há 12 mil anos.

“Durante essa longa história, as sociedades indígenas desenvolveram tecnologias que eram altamente adaptadas às condições locais e otimizadas para a expansão do sistema de produção de alimentos”, escreve o grupo de especialistas que assinam o documento, liderado por Neves.

“A arqueologia amazônica mostra quão profunda é a história indígena na região, caracterizada pela diversidade cultural e agro-biológica. Trata-se de um dos poucos centros independentes de domesticação de plantas no planeta e um dos primeiros centros produtores de cerâmica no Novo Mundo”, segue o texto.

Com BBC e Fórum