21 de abril de 2021
Campo Grande 32º 18º

Pedra justifica 'calote’ em função de suspeita de serviços não executados

A- A+

O secretário Municipal de Governo e Relações Institucionais, Paulo Pedra (PDT),  afirmou nesta terça-feira (8) ao MS Noticias que os cerca de R$ 200 milhões devidos pela Prefeitura Municipal de Campo Grande a empresas prestadores de serviços  considerados não essenciais na cidade precisam ser avaliados pelo Executivo.

Segundo secretário, ainda é necessário certificar se as benfeitorias previstas para serem executadas pelos fornecedores foram realizadas. “É preciso fazer uma auditagem das notas emitidas, para confirmar se realmente houve os serviços”, disse. De acordo com Pedra, a falta de pagamento ocorre desde março de 2015. Conforme secretário, não há previsão de dialogo entre as partes envolvidas. “Já ocorreram várias reuniões, e por enquanto não há nada em vista”, frisa.

Desde o início dessa semana, fornecedores da Prefeitura reclamam da decisão do Município de não efetuar, o pagamento das dívidas deixadas pelo prefeito Gilmar Olarte, orçada em cerca de R$ 200 milhões, até o fim de 2015. O prefeito Alcides Bernal (PP) quando reassumiu comando da administração municipal, em 27 de agosto desse ano , anunciou suspensão do pagamento das empresas por 90 dias.

O prazo terminou em novembro, mas, o secretário Municipal de Planejamento, Finanças e Controle, Disney Fernandes informou que débitos devem ser pagos apenas em 2016. Disney foi procurado pela reportagem, mas não pode confirmar os valores reais da dívida, por não ter sido encontrado. De acordo com assessoria da prefeitura, secretario está viajando.