14 de agosto de 2020
Campo Grande 35º 22º

PSDB vai brigar na justiça com Chadid por cadeira na Câmara Municipal

Com a cassação dos vereadores Thais Helena (PT), Paulo Pedra (PDT), Alceu Bueno (PSL) e Delei Pinheiro (PSD), a justiça eleitoral pode convocar o secretário municipal de educação, José Chadid, expulso do PSDB por infidelidade partidária. Para garantir que a vaga continue com o partido tucano, o presidente do diretório municipal do PSDB, Carlos Alberto Assis, já sinalizou que vai brigar na justiça se for preciso.

“Eu acredito que a vaga é do partido. Para qualquer pessoa ser eleita, tem que estar num partido e seguir as diretrizes dele. O que podíamos fazer pelo Chadid era um julgamento com ampla margem de defesa. E fizemos. Agora é esperar a justiça eleitoral oficializar os novos vereadores. Se o Chadid for escolhido, eu como presidente do partido vou entrar na justiça pela vaga”, declarou.

José Chadid foi expulso do PSDB porque contrariou as diretrizes do partido ao assumir um cargo na administração do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), sem a autorização da executiva. Pelo mesmo motivo, a diretora da Funesp, Leila Machado, corre o risco de ser expulsa também.

O segundo suplente pelo partido, cotado para assumir a vaga de vereador é o oftalmologista Lívio Leite (PSDB). “Lívio é militante e atuante do partido. Faz parte da executiva municipal, participa de todos os movimentos e com certeza será uma boa adição à nossa bancada”, garantiu Assis. Hoje a bancada tucana é formada pelos vereadores Rose Modesto e João Rocha.

Diana Christie