25 de maio de 2024
Campo Grande 14ºC

BASTIDORES | POLÍTICA

Telefonema revela que Bolsonaro e Torres tramavam prender Lula

Anderson Torres seria o responsável por 'encontrar um juiz que topasse assinar a prisão'

A- A+

Trechos das conversas entre o ex-presidente, Jair Bolsonaro (PL), e o ex-ministro da Justiça, Anderson Torres, indicavam um plano dos dois para prender o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) logo no início de 2024, caso o ex-presidente vencesse às eleições.

A ideia, de acordo com a coluna de Daniel Cesar no Último Segundo, era vencer as eleições e abrir um inquérito na Polícia Federal (PF) que acarretaria num pedido de prisão do petista, cumprido imediatamente no início do ano.

"O Bolsonaro queria que a PF investigasse o Lula e pedisse a prisão preventiva", diz a fonte que enviou trecho dos diálogos. Segundo a mesma fonte, Torres seria o responsável por "encontrar um juiz que topasse assinar a prisão".

De acordo com o raciocínio da dupla, uma vez derrotado, Lula não teria imunidade e nem poderia ser julgado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e, por isso, um juiz de primeira instância poderia assinar o pedido de prisão. "A articulação estava adiantada até o final de setembro. A operação seria deflagrada uma semana após a eleição, caso Bolsonaro tivesse sido reeleito".

PRISÃO POLÍTICA 

No trecho da conversa acessado pela coluna, não é possível saber qual seria a denúncia ou mesmo se o caso seria de perseguição, mas os indícios são de que Bolsonaro pretendia levar seu maior adversário à prisão, independente de qual seria a acusação ou o suposto crime. Nos corredores da política, fala-se que seria uma prisão política.

A fonte do ministério da Justiça de Bolsonaro ouvida pela coluna confirmou que, entre o primeiro e o segundo turno, com a vitória parcial de Lula, houve recuo de delgados da PF para tocar a operação. "Mudaram de ideia e investiram em operações no segundo turno para impedir as pessoas de votarem", afirmou se referindo às blitz que viraram alvo de investigação. "Se Lula perdesse, ele estaria preso hoje", concluiu.