26 de setembro de 2021
Campo Grande 34º 22º

QASSEM SOLEIMANI | IRÃ

Trump é acusado de terrorismo: está "no topo da lista" pelo assassinato de general

Será processado "assim que deixar a Presidência", disse procurador do Irã

A- A+

A Justiça do Irã emitiu mandados de prisão contra 36 cidadãos estrangeiros, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pelo bombardeio que matou o general Qassem Soleimani, ocorrido em 3 de janeiro de 2020.

O anúncio foi feito pelo procurador-geral de Teerã, Ali Alqasi Mehr. "36 indivíduos envolvidos ou que ordenaram o assassinato de Qassem, incluindo políticos e militares dos EUA e de outros governos, foram identificados, e oficiais judiciários emitiram mandados de prisão contra eles", disse Mehr à agência iraniana Fars.

Segundo o procurador, o Irã também lançou alertas vermelhos via Interpol. As acusações são de assassinato e terrorismo, e Mehr acrescentou que Trump está "no topo da lista" e será processado "assim que deixar a Presidência".

Soleimani foi morto em um bombardeio americano no aeroporto internacional de Bagdá, capital do Iraque, e comandava a Força Quds, unidade especial do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica.

A morte do militar mais poderoso do Irã e possível sucessor de Hassan Rohani como presidente provocou revolta entre os iranianos e uma série de protestos contra os Estados Unidos.

"GOLPE DE PROPAGANDA"

Um pedido de prisão iraniano contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e outras 35 pessoas pelo assassinato do general Qassem Soleimani é um "golpe de propaganda", disse o enviado norte-americano para o Irã, Brian Hook, em entrevista coletiva na Arábia Saudita nesta segunda-feira.

"Nossa avaliação é de que a Interpol não intervém e não emite alertas vermelhos baseados em natureza política", disse Hook ao lado do ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, em Riad.

"Esse é de natureza política. Isso não tem nada a ver com segurança nacional, paz internacional ou promoção da estabilidade. É um golpe de propaganda que ninguém leva a sério", afirmou Hook.

*Com informações da Reuters.