19 de maio de 2024
Campo Grande 18ºC

CONGRESSO NACIONAL

Vídeo: Deputado de MS ataca acadêmicas 'nordestinas' e curso de medicina fronteiriço

"Um inútil", respondeu proprietário da Universidade Central do Paraguai (UCP)

A- A+

O deputado federal sul-mato-grossense, Geraldo Resende (PSDB), atacou os cursos de medicina do Paraguai durante pronunciamento na Comissão Mista da MP 1165, do Mais Médicos, instalada na 4ª.feira (10.mai.23), no Senado. O parlamentar disse que ‘acadêmicas de medicina nordestinas estão se prostituindo para bancar o curso’ em Pedro Juan CaballejoCidade do Leste, onde conforme o deputado há uma profusão de cursos de medicina. 

“Tem gente saindo lá do Nordeste, meninas, para fazer prostituição para bancar o curso de medicina e servir de mula para levar droga para suas cidades de origem”, bradou o tucano bolsonarista.

O CEO da Universidade Central do Paraguai (UCP) e criador do curso de medicina em Pedro Juan Caballero, Carlos Bernardo, rebateu a fala do deputado, o convocando a lutar por cursos mais acessíveis e cobrando respeito as acadêmicas que estão em busca de formação no exterior. "Ele fez a cagada de falar merda em uma Reunião que ele achava que o povo não iria ver, mas sempre o mal é descoberto, então está aí o vídeo do deputado badulaqueiro de Mato Grosso do Sul Geraldo Rezende", escreveu Carlos.

Médico formado no exterior, Carlos explicou que tem cerca de 10 mil alunos em dois polos da UCP em Pedro Juan Caballejo e Cidade do Leste. O empresário pretende iniciar os trabalhos da UCP no Brasil e por isso está em visita a muncípios. Nesta 4ª.feira, Carlos cedeu entrevista à comunicadora Toninha Campo da Rádio Caçula 96.9 FM, de Três Lagoas (MS), onde voltou a comentar o ataque de Geraldo ao cursos de medicina fronteiriços.  Eis os vídeos do ataque de Resende seguido da resposta de Carlos: 

Os ataques de Resende ao curso fronteiriço se deve a um antigo pleito, o qual ele tem muito a ganhar. O deputado quer implantar um curso de Medicina na Universidade Estadual de Dourados (UEMS), mas para isso teria que derrubar as adesões aos cursos acessíveis da UCP.

A MP 1165

Médicos estrangeiros e brasileiros formados no exterior serão dispensados da revalidação do diploma durante toda a participação no projeto. Foto: Mayke Toscano/Governo de Mato GrossoMédicos estrangeiros e brasileiros formados no exterior serão dispensados da revalidação do diploma durante toda a participação no projeto. Foto: Mayke Toscano/Governo de Mato Grosso

Cria uma indenização especial para o médico que atuar em região de difícil fixação ou que for formado com uso do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). 

Ampliará o número de profissionais em áreas de maior vulnerabilidade, uma vez que, segundo o governo, 41% dos participantes do programa desistem de trabalhar nos locais mais remotos. Eis as principais mudanças no programa Mais Médicos a partir da MP: