22 de maio de 2024
Campo Grande 24ºC

RICARDO LEWANDOWSKI

"Vitória do Estado brasileiro", diz ministro sobre a prisão dos assassinos de Marielle Franco

A 'Operação Murder Inc.' levou à prisão do deputado federal Chiquinho Brazão, seu irmão Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio, e Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro

A- A+

Em coletiva de imprensa na tarde deste domingo, 24 de março, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, falou sobre a operação que resultou na prisão preventiva de três suspeitos de serem os mandantes do atentado contra a vereadora carioca Marielle Franco, no qual também morreu o motorista Anderson Gomes. Os crimes ocorreram em 14 de março de 2018.

Para o ministro, a elucidação do crime é uma vitória para o país. “Este momento é extremamente significativo, é uma vitória do Estado brasileiro, das nossas forças de segurança do país com relação ao combate ao crime organizado", disse o Ministro da Justiça e Segurança Pública.

A operação, denominada Murder Inc., resultou na prisão do deputado federal Chiquinho Brazão (União-RJ); do irmão dele, Domingos Brazão, que é conselheiro do Tribunal de Contas do Rio; e do ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Rivaldo Barbosa. A ação acontece 10 dias após o crime completar seis anos.

Os três foram alvos de mandados de prisão preventiva expedidos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. A Operação Murder, Inc. foi deflagrada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e pela Polícia Federal (PF).

Lewandowski destacou que as investigações avançaram graças ao empenho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Esta etapa mais importante das investigações foi vencida a partir da eleição e da posse do novo governo. E quando, com muita disposição e energia, se colocou a Polícia Federal e o meu antecessor, o ministro Flávio Dino, a serviço da elucidação desse crime”.

Ministro Ricardo Lewandowski e diretor-Geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, durante coletiva de imprensa neste domingo (24), no Ministério da Justiça e Segurança Pública - Foto: Tom Costa / MJSPMinistro Ricardo Lewandowski e diretor-Geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, durante coletiva de imprensa neste domingo (24), no Ministério da Justiça e Segurança Pública - Foto: Tom Costa / MJSP

As prisões ocorrem após o STF homologar a delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, que está preso desde 2019 sob acusação de ser um dos executores do crime. Lessa indicou quem eram os mandantes e também a motivação do crime.

Segundo Lewandowski, com a prisão dos supostos mandantes, pode-se afirmar que o trabalho está encerrado. "É claro que podem surgir novos elementos que levarão eventualmente a um relatório complementar da Polícia Federal. Mas neste momento, os trabalhos foram dados como encerrados."

Além dos três mandados de prisão preventiva, estão sendo cumpridos 12 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo STF, todos na cidade do Rio de Janeiro. A ação conta ainda com o apoio da Secretaria de Estado de Polícia Civil do Rio de Janeiro e da Secretaria Nacional de Políticas Penais, do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Também são apurados os crimes de organização criminosa e obstrução de justiça.

Durante a coletiva desta tarde, o diretor-Geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, explicou que a operação Murder Inc. não exclui a possibilidade de outras medidas serem tomadas. “Nesse momento, a Polícia Federal (PF) encerra essa fase da investigação, apontando não só os mandantes, mas também identificando aqueles executores e intermediários que, de alguma maneira, tenham relação com o crime. Mas isso não invalida que outras ações possam ser adotadas a partir, inclusive, dessa etapa de apreensões e análises de materiais que serão feitas”, disse.

FORTALECIMENTO DA DEMOCRACIA

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco (foto), é irmã da ex-vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em 2018. .A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco (foto), é irmã da ex-vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em 2018.

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, irmã de Marielle, comentou sobre a importância das prisões deste domingo. "Dia importante que marca o verdadeiro motivo pelo qual a gente tem seguido de pé. Dia que a gente vai seguir acompanhando para que este desdobramento chegue de fato em uma prisão concreta e que a gente tenha informação dos verdadeiros motivos", afirmou Anielle.

“A gente vai seguir lutando por justiça, porque eu repito: responder ao crime da Marielle e do Anderson é dar uma resposta para o fortalecimento da democracia, é dar uma resposta para as pessoas que acreditaram e acreditam na Mari, é dar reposta para quem votou nela, para os favelados, para as pessoas que ela representava”, continuou a ministra.

Por meio do X (antigo Twitter), o ministro na Advocacia-Geral da União, Jorge Messias, reforçou que começou, no Brasil, um novo tempo: o fim da era da impunidade “Hoje é um dia que a justiça brasileira avança e traz para família, amigos e a sociedade brasileira o resgate da esperança e a certeza de que a verdade prevalecerá. Que todos os responsáveis pelos assassinatos de Marielle e Anderson sejam julgados na forma da lei. O Brasil começa um novo tempo: o fim da era da impunidade. Que esse novo tempo chegue para a família de Marielle e para milhares de famílias que aguardam por justiça”, afirmou.

Por meio do Instituto Marielle Franco, a família Franco se manifestou sobre a operação Murder Inc. Leia a íntegra da nota:

Neste Domingo de Ramos (24), dia de celebrar nossa fé, a luta por justiça, e na liturgia o domingo que antecede a Páscoa sobre recomeços e ressurreição, acordamos com a notícia da operação conjunta da Procuradoria Geral da República, Ministério Público do Rio de Janeiro e da Polícia Federal.

Reconhecemos o empenho da Procuradoria Geral da República, da Polícia Federal, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e do Ministro Alexandre de Moraes do STF para avançar por respostas sobre o caso, agora aguardamos o resultado da condução da investigação e a eventual denúncia dos mandantes e de todos os responsáveis pelas obstruções da justiça.

Neste dia de dor e esperança, nossa família segue lutando por justiça. Nada trará nossa Mari de volta, mas estamos a um passo mais perto das respostas que tanto almejamos!