23 de outubro de 2021
Campo Grande 30º 20º

Com Reinaldo e Takimoto, representante da China propõe investimentos em MS

A- A+

O  presidente da Câmara Brasil-China de Desenvolvimento Econômico (CBCDE), Wang Dian Xing esteve na tarde desta quarta-feira (30) no gabinete da governadoria, em Campo Grande, onde se reuniu  com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e com o deputado estadual George Takimoto (PDT), com quem já havia se reunido no período da manhã, para discutir futuros investimentos chineses em Mato Grosso do Sul.

Segundo  Wang, que já tinha visitado o estado há dois anos, quando se reuniu com o ex-governador André Puccinelli, Mato Grosso Sul deixou a  memória de um ambiente positivo para os negócios, fazendo-o voltar com pautas mais fortes e concretas.

“Queremos apresentar Mato Grosso do Sul  e todas as suas cidades ao governo da China e a possíveis investidores. Temos a intenção de instalar  fábricas no estado, e também investimentos  nos setores da soja, milho e frigoríficos”, explicou Wang.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (SEMADE), Jaime Verruck, também participou do encontro, e afirmou que esta reunião é o início de um bom relacionamento entre Mato Grosso do Sul e China, que já sinalizou a sua necessidade de importação de carne.

“No momento só temos um investimento chinês no estado, na indústria de Maracaju. A  câmara de desenvolvimento Brasil e China tem uma visão mais ampla,  trazendo a oportunidade de toda a China, e  não só de uma província, apresentar investidores para possíveis negócios de importação e exportação.”  Afirma Verruck .

Também ficou acertado na reunião que em outubro de 2016, quando será inaugurado o centro de negócios Brasil- China, representantes políticos de  Mato Grosso do Sul viajam em comitiva  para o país a a fim de tratar de um acordo de cooperação técnica entre o Estado de Mato Grosso do Sul e a Província de Fujian.

Com a taxa de câmbio extremamente favorável para a exportação e a China tendo um crescimento econômico de  7.5%, Mato Grosso do Sul visa explorar a linha de crédito que a China possui, de 800 milhões de reais.