15 de janeiro de 2021
Campo Grande 26º 23º

Mestre da percussão

O mundo acordou em silêncio com a morte de Naná Vasconcelos

Percussionista faleceu devido a um câncer no pulmão

O mundo ficou mais silencioso e o céu certamente ganhará novos sons com partida do percussionista Naná Vasconcelos. O pernambuco de 71 anos faleceu às 7h39 (horário de Brasília) no Hospital Unimed em Recife, sua cidade natal. Naná lutava com serenidade e dignidade contra um câncer no pulmão desde 2015, porém, fez questão de não abandonar a música nem a estrada a continuou trabalhando entre períodos de tratamento.

A relação de Naná Vasconcelos com a música começou cedo ainda na infância. Aos sete anos ele aprendeu a tocar bateria com pai, músico de uma banda marcial do Recife. Desde então, nunca mais parou, ele criou novos instrumentos para percussão e transformou definitivamente a música brasileira e mundial. Em 1967, ele se mudou para o Rio de Janeiro onde gravou dois discos com Milton Nascimento. 

No exterior, ele tocou com Miles Davis, Jack DeJonette, Pat Matheny, Trilok Gurtu e formou na década de 1980 o grupo de jazz chamado Codona. Naná foi eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo pela revista norte-americana especializada em jazz e músicas instrumental Down Beat. O percussionista criou sons até então sequer imaginados pelo homem, o que surpreendeu músicos de todo mundo. Os sons da natureza foram personificados através das mãos de Naná Vasconcelos. O local e horário do velório ainda não foram confirmados pela família.