19 de setembro de 2021
Campo Grande 38º 25º

OPERAÇÃO CORUMBÁ

PF 'acorda' prefeito de Corumbá e vai até laboratório "negócio da família"

Nesta 3ª-feira (10.nov.2020) a Polícia Federal chegou ao calcanhar do tucano Marcelo Iunes

A- A+

Em 29 de abril de 2020, o MS Notícias denunciou suspeita de corrupção, nepotismo e fraudes que estariam acontecendo na Prefeitura Municipal de Corumbá, comandada por Marcelo Iunes (PSDB), que assumiu a administração após o falecimento do eleito, Ruiter Cunha. Além de ter se apoiado em dispensa de licitações junto a Secretaria Municipal de Saúde de Corumbá, em 29 de novembro Iunes ganhou mídia ao ser revelado que ele usou familiares como ‘laranjas’ para contratar com quase R$ 1 milhão de verbas municipais e sem licitação, um laboratório médico do qual ele seria verdadeiro dono, o Citolab Laboratório Clínico Ltda-ME e Citolab Laboratório de Análise Clínica Ltda-ME.

Nesta 3ª-feira (10.nov.2020) a Polícia Federal chegou ao calcanhar do tucano. Segundo informações enviadas exclusivamente ao MS Notícias, a PF esteve na casa de Iunes, além de ter batido no Citolab. 

PF nesta manhã (3ª-feira 10, novembro) em frente a Citolab PF nesta manhã (3ª-feira 10, novembro) em frente a Citolab. Foto: DR | MS Notícias 

Apesar de ser público na cidade o vínculo de Marcelo Iunes com a ‘Citolab’, que tinha até o nome do prefeito na fachada, a esposa de Marcelo Iunes, Amanda Cristiane Balancieri, que ele havia nomeado como secretária especial de Cidadania e Direitos Humanos, saiu da sociedade em 19 de maio de 2017 e transferiu a parte que tinha do laboratório para o irmão do prefeito, João Batista Aguillar Iunes, dono da JBA Iunes. De acordo com a Certidão Simplificada da Junta Comercial de Mato Grosso do Sul (Jucems), a firma iniciou suas atividades em 31 de março de 2008 e teve outros registros antecessores, com os nomes ACB Iunes. As iniciais ACB são de Amanda Cristiane Balancieri Iunes, esposa do prefeito.

PF em frente a Citolab do prefeito Marcelo Iunes PF em frente a Citolab do prefeito Marcelo Iunes. Foto: DR | MS Notícias 

Aberta por José Batista Aguillera Iunes e Amanda Cristiane Balancieri Iunes, a empresa Citolab Laboratório Clínico funcionou até 2017 com esse nome de fantasia. Seus donos, um irmão e a esposa do prefeito Marcelo Iunes (PSDB), resolveram no entanto recompor a razão social e o nome do empreendimento, registrado como prestador de  serviços de exames laboratoriais, como biópsias, glicemia, ácido úrico e colesterol.

O ex-vereador Augusto Amaral denunciou todo esse esquema ao Ministério Público Federal. O denunciante disse estar convicto: o rodízio de registros de propriedade em nome de familiares é o meio encontrado para ocultar que o verdadeiro dono da empresa é o próprio Marcelo Iunes. Uma transação anterior havia sido comunicada ao MPF por Amaral, quando denunciou no ano passado que o laboratório Citolab, da esposa, foi favorecido com um contrato da Prefeitura no valor de R$ 357 mil.

Ainda não há mais informações sobre a devassa que a PF faz na administração do município Pantaneiro.