19 de junho de 2024
Campo Grande 22ºC

MEIO AMBIENTE E MUDANÇA DO CLIMA

Ministra Marina Silva faz pronunciamento à nação: "Proteger o meio ambiente é salvar vidas!"

Na véspera do Dia Mundial do Meio Ambiente, ministra enfatiza necessidade de conciliar o equilíbrio climático com o crescimento econômico do país

Durante pronunciamento em rede de rádio e televisão nesta terça-feira, 4 de junho, véspera do Dia Mundial do Meio Ambiente, a ministra Marina Silva (Meio Ambiente e Mudança do Clima) afirmou que tragédias como as que ocorreram no Rio Grande do Sul exigem engajamento e solidariedade da sociedade para evitar que situações parecidas se repitam. "Quando protegemos os rios, as florestas, a nossa rica biodiversidade, estamos, na verdade, protegendo e cuidando das pessoas", declarou.  

“Eventos climáticos extremos, como as chuvas no Sul, ilustram bem a relação entre o equilíbrio ambiental e as nossas vidas. A situação atual exige não só consciência, mas ação imediata. O governo agiu rapidamente em diferentes frentes, em parceria com o estado e os municípios, para cuidar das pessoas, comunidades e empresas”, disse a ministra, apontando para a necessidade de encarar a preservação ambiental como uma medida de preservação da vida em seu sentido mais amplo .

“Proteger o meio ambiente é salvar vidas, é garantir o bem viver para ribeirinhos, pequenos comerciantes, moradores das periferias, comunidades tradicionais e pessoas que vivem em áreas de risco", pontuou a ministra do Meio Ambiente.

Marina Silva destacou que o Governo Federal vem agindo em diversas frentes para garantir condições necessárias à manutenção das atividades econômicas em todos os setores de forma harmônica com a preservação da natureza.

"Os próximos anos serão dedicados a ações de proteção e recuperação da biodiversidade, com a criação de novas unidades de conservação, uso sustentável de florestas, recuperação de áreas degradadas e combate ao desmatamento e incêndios."

A ministra listou uma série de compromissos e ações do Governo Federal, como meta de desmatamento zero até 2030, a construção de um novo modelo econômico – industrial, rural, financeiro e de governança. Que coloque a preservação do planeta e  da humanidade, com redução das desigualdades, como objetivo final do combate ao efeito estufa e às tragédias climáticas. 

Assista à íntegra, ou leia a seguir:

Íntegra do pronunciamento da ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva.

Boa noite! Amanhã, dia 5 de junho, é o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Uma ótima oportunidade para refletirmos sobre o que estamos fazendo com o planeta.

Eventos climáticos extremos, como as chuvas no Sul, ilustram bem a relação entre o equilíbrio ambiental e as nossas vidas.

Quando protegemos os rios, as florestas, a nossa rica biodiversidade, estamos, na verdade, protegendo e cuidando das pessoas.

Estamos garantindo as condições necessárias à manutenção das atividades econômicas em todos os setores.

A tragédia climática no Rio Grande do Sul trouxe sofrimento para milhares de famílias, sobretudo as mais pobres, as que vivem em condições precárias de moradia e são sempre as principais vítimas das catástrofes climáticas.

Esse ciclo não pode continuar.

A situação atual exige não só consciência, mas ação imediata.

Em resposta, o governo agiu rapidamente em diferentes frentes, em parceria com o estado e os municípios, para cuidar das pessoas, comunidades e empresas.

Tragédias como essa exigem de nós um profundo engajamento e solidariedade e nos cobram o compromisso de soluções para evitar que elas se repitam.

Com o aumento da temperatura global, o mundo está vivenciando os gravíssimos efeitos dos eventos climáticos extremos cada vez mais frequentes e severos.

No Brasil, a intensificação de deslizamentos, inundações, secas, processos de desertificação anunciam dias difíceis, sobretudo para as famílias mais vulneráveis.

Proteger o meio ambiente é salvar vidas, é garantir o bem viver para ribeirinhos, pequenos comerciantes, moradores das periferias, comunidades tradicionais e pessoas que vivem em áreas de risco.

Infelizmente, ainda há quem duvide da relação entre a ação do homem e a reação da natureza.

Por alguns anos, esse negacionismo atrasou a adoção de medidas urgentes, desrespeitou regras, instituições e servidores ambientais e nos impôs um tempo perdido.

Com responsabilidade, estamos trabalhando para recuperar esse tempo e fazendo o que precisa ser feito em benefício de todos os brasileiros e brasileiras.

Por orientação do presidente Lula, o tema da mudança do clima vem sendo fortalecido e tratado por todos os setores e áreas do governo de forma transversal, em diálogo com toda a sociedade.

Estamos concluindo a atualização da Estratégia Nacional de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima e lançaremos um Plano Nacional para o Enfrentamento da Emergência Climática. Focado, principalmente, nos municípios e áreas de maior risco, o plano vai estruturar a capacidade do governo para lidar com o pré-desastre, fortalecendo ações de análise de risco, prevenção e preparação.

Diante da urgência em reverter os índices de desmatamento no Brasil, que tem efeito direto no clima, o presidente Lula estabeleceu o compromisso de desmatamento zero em todos os biomas brasileiros e já obtivemos resultados importantes com a redução de 50% do desmatamento na Amazônia e reduções, também, no Pampa e Mata Atlântica, e estamos trabalhando para obter resultados, também, no Cerrado, Pantanal e Caatinga.

O momento aponta claramente para uma mudança de rumos.

Estamos sendo desafiados a pensar juntos, criar tecnologias sustentáveis, transitar para energias não poluentes, com mais igualdade social e investimentos sustentáveis para todos os setores de nossa economia.

Estamos trabalhando nessa direção.

Os próximos anos serão dedicados a ações de proteção e recuperação da biodiversidade, com a criação de novas unidades de conservação, uso sustentável de nossas florestas, recuperação de áreas degradadas e o combate ao desmatamento e incêndios.

Será, também, de incentivo ao crescimento da bioeconomia, gerando empregos e renda e prosperidade, respeitando os povos indígenas e as comunidades tradicionais.

Será de aumento da qualidade ambiental, nas cidades e no campo, de cuidados com os recursos hídricos e o oceano, de busca de soluções para os resíduos sólidos.

No próximo ano, teremos a COP 30, em Belém. Na nossa casa, no Brasil, vamos fazer a diferença e mostrar que estamos unidos para construir um futuro ecologicamente sustentável e criar um ciclo de prosperidade em benefício de todos os brasileiros e brasileiras, com democracia, redução das desigualdades sociais, respeito à diversidade e sustentabilidade.

Obrigada.

Motoqueiro e garupa ficam em estado grave após colisão em cruzamento (vídeo)
CAMPO GRANDE (MS)
há 3 horas

Motoqueiro e garupa ficam em estado grave após colisão em cruzamento (vídeo)

Decisão judicial suspende pesquisa eleitoral suspeita em Antônio João
ELEIÇÕES 2024
há 5 horas

Decisão judicial suspende pesquisa eleitoral suspeita em Antônio João

Em evento  dia 25 na ALEMS,  Governo vai  liberar   R$ 72 milhões em emendas parlamentares
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
há 6 horas

Em evento dia 25 na ALEMS, Governo vai liberar R$ 72 milhões em emendas parlamentares

Prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes vira réu por compra de votos
"ELEIÇÕES 2020"
há 10 horas

Prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes vira réu por compra de votos

Zeca propõe homenagem como gesto de reconhecimento a precursores da Rota Bioceânica 
REVERÊNCIA HISTÓRICA
há 11 horas

Zeca propõe homenagem como gesto de reconhecimento a precursores da Rota Bioceânica 

Câmara recua e terá comissão para discutir aborto em agosto
PL DO ABORTO
há 14 horas

Câmara recua e terá comissão para discutir aborto em agosto