22 de junho de 2021
Campo Grande 28º 16º

Sob ataque, Petrobrás bate novo recorde de produção

A- A+

Alvo de denúncias de corrupção, estatal atingiu, no último domingo 21, um recorde de produção diária de petróleo e gás natural liquefeito (GNL), com 2,29 milhões de barris; recorde anterior era de quatro anos atrás, quando a estatal havia produzido 2,26 milhões de barris; resultado foi alcançado devido à instalação de nove plataformas em 2013 e 2014, nas bacias de Santos e Campos; também houve ganhos de eficiência em plataformas antigas; alvejada, presidente Graça Foster coleciona, em sua gestão, os melhores números já alcançados pela companhia; ações da empresa sobem quase 4% na Bovespa neste momento.

Em meio a um furacão de denúncias de corrupção e pedidos para a saída da presidente, Graça Foster, a Petrobras divulgou na manhã desta terça-feira 23 um resultado recorde de produção, cuja marca anterior era de 27 de dezembro de 2010. Os números trouxeram ganhos aos papéis da estatal do petróleo na Bovespa, que subiam quase 4% por volta de 13h. Leia abaixo reportagem da Agência Brasil sobre o resultado:

Petrobras tem novo recorde com produção de 2,29 milhões de barris

Vitor Abdala A Petrobras atingiu, no último domingo 21, um recorde de produção diária de petróleo e gás natural liquefeito (GNL), com 2,29 milhões de barris. O recorde anterior era de 27 de dezembro de 2010, quando a estatal havia produzido 2,26 milhões de barris.

De acordo com a empresa, o recorde de produção foi alcançado devido à instalação de nove plataformas em 2013 e 2014, nas bacias de Santos e Campos. Além disso, houve ganhos de eficiência em plataformas antigas, que já operavam na Bacia de Campos, e de melhorias operacionais nas unidades do Norte e Nordeste.

A Petrobras também bateu recorde de produção de petróleo na camada pré-sal, ao chegar à marca de 700 mil barris diários no dia 16 de dezembro. Segundo a estatal, o resultado foi conseguido com a contribuição de 34 poços produtores. Desses poços, 16 estão na Bacia de Santos e respondem por 61% do volume total produzido. O restante (18) está na Bacia de Campos e responde pelos 39% restantes.

O petróleo é extraído do pré-sal por 12 diferentes plataformas, das quais oito atuam exclusivamente nesses reservatórios, que ficam abaixo de uma espessa camada de sal localizada sob o leito do oceano.

Leide Laura Meneses com Brasil 247 e Agência Brasil