24 de julho de 2024
Campo Grande 31ºC

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Com Programa de Aquisição de Alimentos, produtor investiu em maquinário e deixou a enxada para trás

A- A+

O pequeno produtor rural João Berlamino personifica a mudança proporcionada pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). A iniciativa do governo federal, operacionalizada pelos municípios participantes, como Campo Grande, garante a compra de alimentos produzidos por pequenos produtores e tem alicerçado a transformação da agricultura familiar.

João Berlamino conta que começou a produção na enxada. Hoje, graças ao planejamento que fez com a venda garantida no programa, pode investir em vários equipamentos, fazendo a produção ser mais eficiente e lucrativa. “Comecei plantando meia hectare, hoje eu planto a chácara inteira. Todo ano eu tiro uma parte do que recebo e vou pagando os maquinários que comprei. Tudo que comprei foi com esse dinheiro do programa. Tenho dois tratoritos, plantadeira de plantio direto e de plantio convencional. Eu recebo, vou lá e pago uma parte, depois vou e pago outra parte, e assim vou investindo”, conta.

O impacto dessa modernização é visível. A produtividade de João aumentou significativamente. O que antes ele levava semanas para fazer com a enxada, agora a máquina faz em dias. A colheita é muito mais rápida e ele consegue plantar mais vezes no ano. O aumento da produtividade, também permitiu que Berlamino diversificasse a produção, cultivando uma maior variedade de produtos, além de ampliar a área destinada ao plantio para 10,4 hectares.

Assim como Berlamino, outros 114 produtores, sendo 80 homens e 34 mulheres, participam do programa. Cada produtor vai receber até R$ 7,5 mil, totalizando R$ 865 mil em investimento. Nestes primeiros quinze dias de entrega, 31 toneladas já foram encaminhadas para as famílias inscritas nas entidades assistenciais beneficiadas pelo programa.

Outro benefício destacado por Berlamino são os investimentos promovidos pela Prefeitura de Campo Grande para melhorar a infraestrutura viária e assim apoiar os produtores no transporte e na logística, garantindo mais competitividade. Um segmento definido como prioridade, por exemplo, é o das pontes. A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) vem com um trabalho robusto na substituição das pontes de madeira pelas de concreto, visando reduzir os custos com a manutenção.

A conclusão da ponte sobre o córrego Limpo, na estrada CG-040, caminho para os assentamentos Sucuri e Conquista, na região do Aguão, é uma delas. Em parceria com a CEF (Caixa Econômica Federal), foram investidos R$ 792.102,51 na ponte de concreto com 20 metros de comprimento.

“Somos muito gratos à Prefeitura que está dando todo o respaldo para o pessoal do campo. Tínhamos uma ponte, que estava quebrada há muito tempo e agora foi construída uma nova, de concreto. A agricultura depende das estradas e a Prefeitura foi lá e fez”, conclui Berlamino.

Produção

De acordo com dados do PAM 2022 (Produção Agrícola Municipal) divulgados pelo IBGE em setembro do ano passado, de 2021 para 2022, a área plantada no município aumentou em 2,45%, enquanto o valor da produção teve alta nominal de 9,06%. Campo Grande registrou um faturamento bruto da produção agrícola de R$ 1,231 bilhão.

Este valor foi resultado de uma produção de 738.379 toneladas de produtos colhidos em uma área plantada de 161.064 hectares. A combinação única entre o valor bruto da produção, a produção colhida e a área plantada colocam Campo Grande no topo do ranking das capitais brasileiras em termos de rentabilidade na produção agropecuária. Entre os municípios de Mato Grosso do Sul, Campo Grande possui o 15º maior valor de produção de lavouras temporárias, conforme o estudo divulgado pelo IBGE.