13 de junho de 2024
Campo Grande 22ºC

A pedido da população, vereador cobra da Seintrha solução para caos na Capital

A- A+

O vereador Chiquinho Telles (PSD), ao contrário da maioria dos parlamentares, abriu mão do recesso de final de ano e continuou trabalhando em seu gabinete, na Câmara Municipal, atendendo a população campo-grandense e tentando resolver as reivindicações da sociedade, principalmente relacionada ao caos em que as ruas da Capital se encontram.

“Eu não parei, não tirei férias, atendo todo dia, fiquei de plantão no final de ano e continuo atendendo as demandas dos bairros, as maiores reclamações são por patrolamento e cascalhamento”, disse.

O parlamentar comentou que após as fortes chuvas que Campo Grande encontrou muitos bairros foram prejudicados devido a alagamentos, buracos abertos nas ruas, queda de árvores.

Desde que o secretário Valtemir Alves de Brito assumiu a pasta, as reclamações não param de chegar aos vereadores, que em todas as sessões fazem indicações à pasta para solucionar os problemas que tomam conta dos bairros.

Porém, mesmo com as exigências da população, que reclama de pagar impostos e não ser atendida nem os vereadores têm os pedidos acatados pelo titular, que insiste em deixar os campo-grandenses sem nenhuma solução para os problemas enfrentados.

Toda a manhã, Chiquinho Telles abre seu gabinete e recebe os campo-grandenses. Apenas após a volta do recesso, que acontece no início de fevereiro, o parlamentar conseguirá atender na parte da tarde. “Eu acho que esse recesso deveria ser mais curto, as férias são muito longas”.

Ainda são apresentados às pastas, com mais demanda à Seintrha (Secretaria de Infraestrutura, Transporte e Habitação), ofícios pedindo pelos reparos, porém, nem sempre se é atendido. “Eles estão atendendo algumas demandas mais urgentes de bairros, eu mando ofício, eu ligo, eu não posso parar”.

O vereador entende que uma das dificuldades é a falta de maquinário na pasta para acatar a demanda, o que acaba gerando dificuldades para a realização desse serviço que é  paliativo.  Além disso, em sua opinião, os trabalhos deveriam ser intensificados, mesmo neste período de recesso.

Ao finalizar, Chiquinho alerta o executivo municipal, que vai trabalhar de maneira a fiscalizar mais os trabalhos realizados pelas pastas, principalmente pela Seintrha.

“São gastos R$ 500 mil por dia em tapa-buraco, se fizer as contas chega a cerca de R$ 15 milhões por mês. Não é melhor avaliar esses valores e em vez de tapar os buracos, fazer  um asfalto novo, recapear? Quem leva lucro com isso? Tenho que entender melhor essa questão”, finalizou.