28 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 21º

DEPOIMENTO

Assessor de Bolsonaro confessa ser idealizador de páginas do 'gabinete do ódio'

Tércio Arnaud Tomaz confessou ter idealizado, além da página 'Bolsonaro Opressor' no Facebook, cinco outras contas semelhantes

Em depoimento à Polícia Federal no inquérito que apura a organização e o financiamento de atos antidemocráticos, o assessor especial da Presidência da República Tércio Arnaud Tomaz, confessou ter idealizado, além da página ‘Bolsonaro Opressor’ no Facebook, cinco outras contas semelhantes nas redes sociais: ‘Bolsonaro Opressor 2.0’, ‘Bolsonaro News’, ’20 Oprimir’, ‘Extrema Vergonha na cara’ e ‘Nordestinos com Bolsonaro 2018’.

Tomaz foi ouvido no inquérito que apura a promoção de atos antidemocráticos e também admitiu participar de grupo de WhatsApp com o blogueiro de direita Allan dos Santos, alvo de investigações no Supremo Tribunal Federal. Allan é responsável pela edição da página criadora e disseminadora de fake news Terça Livre, vinculada ao clão Bolsonaro.

Ele foi intimado pela PF depois que seu nome apareceu na investigação feita por especialistas do Digital Forensic Research Lab (DRFLab), grupo ligado ao Atlantic Council, instituição que realiza análise independente de dados do Facebook. O relatório da DRFLab apontou que Tércio administrava páginas e contas com conteúdo de ataques a adversários políticos do governo, em muitos casos com conteúdo considerado ‘enganoso’ e que mistura ‘meias-verdades para chegar a conclusões falsas’.

A informação é do jornalista Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo, que teve acesso a trechos do depoimento em que o assessor de Jair Bolsonaro contou como mantinha contato com a milícia virtual bolsonarista.

Tércio informou que envia materiais audiovisuais diretamente ao canal de YouTube ‘Foco do Brasil’. Segundo o assessor, vídeos de participações do presidente Jair Bolsonaro em eventos ou entrevistas costumavam ser publicados no site da TV Brasil, emissora estatal com conteúdo aberto, mas que, em razão de problemas técnicos, o material passou a ser ‘filtrado’ e enviado diretamente ao canal.

“Anderson passou a entrar em contato com o declarante (Tércio) por meio de aplicativo de mensagens Whatsapp, com solicitação de material que pudesse ser publicado no canal do Foco do Brasil. QUE o declarante normalmente durante viagens, eventos ou entrevistas do Presidente da República realiza (ou recebe) pequenas filmagens que possam ser distribuídas para canais ou mídia tradicional, situação que abarca o canal do Foco do Brasil”, diz um trecho do termo de depoimento.

UM TRECHO DO DEPOIMENTO:

Segundo Tércio Tomaz relatou à PF, os deputados federais Paulo Martins (PSC-PR) e Daniel Silveira (PSL-RJ) participavam do grupo junto com ‘outras pessoas de baixo escalão do governo’.


*Com informação do Estadão.