22 de junho de 2021
Campo Grande 29º 16º

Reinaldo irá escolher secretários por capacidade técnica e não apadrinhamento político

A- A+

O governador eleito Reinaldo Azambuja (PSDB) voltou a defender na manhã de hoje, durante entrevista ao programa de rádio Tribuna Livre, da Capital FM, que nõ irá indicar secretários conforme interesses políticos e sim de acordo com habilidade técnicas de cada um.

"Não vou partidarizar o governo, entendo que não se entrega secretaria e governo para partidos, usamos técnicos para isso", diz Reinaldo. No entanto, antes que os aliados se desesperem, o tucano adiantou que irá sim priorizar técnicos, mas irá também buscar esses nomes nos partidos que o apoiaram nas eleições e fizeram parte de sua coligação Novo Tempo. "Os partidos apontarão as pessoas e veremos se elas se encaixam e onde se encaixam", afirma.

Reinaldo acredita que priorizar presença de técnicos nas secretarias e fundação serpa fundamental para dar agilidade e otimizar a administração, que segundo o tucano, irá inverter a lógica do atual governo de André Puccinelli (PMDB). "Vamos priorizar as ações sociais ao invés de obras."

Reinaldo explica que no caso das obras vai dar continuidade a todas assim que assumir, com exceção do Aquário do Pantanal, que segundo o tucano será retomada assim que as auditorias e a investigação do MPE (Ministério Público Estadual) foram concluídas. O tucano ressaltou que dentro das obras em andamento, sua prioridade serão os hospitais. Hoje, o Estado possui três grandes hospitais com obras em andamento: Hospital Regional de Dourados e Três Lagoas, e o Hospital do Trauma na Capital.

Em relação aos secretários, o tucano confirmou que irá anunciar todos os nomes até dia 23 deste mês, mas aponta como critério de escolha a capacidade técnica a habilidade de trabalhar para pessoas e fazer um governo de dentro para fora. "Estamos olhando quem irá compor primeiro escalão, quem irá trabalhar no governo para desenvolver MS,, governar para as pessoas, trabalhar menos para dentro do governo e mais para fora."

Tayná Biazus e Heloísa Lazarini