29 de maio de 2024
Campo Grande 9ºC

VIOLÊNCIA POLÍTICA

Bolsonarista matou por divergência política, diz MP em denúncia

Eleitor de extrema-direita tinha "desejo assassino"

A- A+

O bolsonarista Rafael Silva de Oliveira, de 24 anos, assassinou o lulista Benedito Cardoso dos Santos, de 44 anos, em 8 de setembro, por divergências políticas, disse o Ministério Público de Mato Grosso (MPT), em denúncia eviada à justiça na segunda-feira (19.set.22). A íntegra.

Mostramos aqui no MS Notícias que o apoiador de Jair Bolsonaro (PL) matou o companheiro de trabalho na chácara Agrovila, em Confresa (MT). O criminoso ainda tentou decapitar a vítima usando um machado.  

O MP manto-grossense ofereceu denúncia tipicando o crime como homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil, meio cruel e por dificultar a defesa da vítima.

Rafael está preso e confessou que o crime foi em razão de a vítima defeder a eleição de Lula (PT).

O apoiador de Bolsonaro (PL) não aceitou a opinião política do colega e iniciou uma luta corporal. Supostamente, a vítima empunhou uma faca e por motivos ainda desconhecidos foi desarmada, perseguida e esfaqueada diversas vezes pelo apoiador de Bolsonaro.

Em trechos da denúncia, o MP argumentou que o eleitor de extrema-direita agiu com “desejo assassino” e matou o colega de trabalho durante uma discussão política, justificando a denúncia de assassinato por motivo fútil. É citado ainda o uso das armas do crime, uma faca e um machado, com uma”brutalidade exacerbada” contra Benedito.

A defesa do bolsonarista pediu que o autor do crime seja submetido a exames psiquiátricos. Se o procedimento atestar que Rafael era, por doença mental, incapaz de entender o caráter ilegal da ação no momento em que a cometeu, ele será declarado inimputável (isento de pena).