19 de maio de 2024
Campo Grande 18ºC

CASA DE LEIS

Deputado Lucas de Lima cria projeto de acompanhamento para mulheres autistas

Projeto, de autoria de Lucas de Lima, prevê programa de acompanhamento pré-natal para mulheres autistas

A- A+

Foi protocolado nesta segunda-feira (24), o Projeto de Lei 253/2022, de autoria do deputado Lucas de Lima (PDT), que institui o programa estadual de acompanhamento pré-natal e pós- parto no caso de gestante no Transtorno do Espectro Autista (TEA) no estado do Mato Grosso do Sul.

De acordo com o projeto, a Secretaria de Estado de Saúde deverá fornecer, durante a gestação, todo acompanhamento psicológico e psiquiátrico à gestante no Transtorno do Espectro Autista- TEA, além do acompanhamento ginecológico, obstétrico e pediátrico a ser realizado pelo pelo Sistema Único de Saúde.

O acompanhamento deverá ocorrer, mensalmente, até o segundo ano de vida da criança e se estenderá à mãe, que deverá comparecer ao serviço de saúde do município de origem para consulta com o pediatra, psicólogo ou psiquiatra para orientações e procedimentos necessários. 

A mãe com TEA deve ter, obrigatoriamente, um plano de parto multidisciplinar desenvolvido conjuntamente entre o obstetra, psicólogo e psiquiatra para atender as necessidades da gestante no decorrer de sua gravidez e na hora do parto.

O projeto, prevê ainda, acompanhamento à criança, com atendimentos mensais, para identificação do TEA e suporte médico adequado.

“Durante a gravidez, as mulheres passam por grandes transformações físicas e fisiológicas em seu organismo, transformações estas que acompanhadas de procedimentos corretos são minimizadas, promovendo o bem estar da gestante e do feto”, justificou Lucas de Lima. 

“Nas gestantes no Transtorno do Espectro Autista - TEA, as transformações são acentuadas devido a aspectos sensoriais e psicológicos, a insegurança muitas vezes relatadas de como conseguirão dar conta de cuidar de uma criança, a dificuldade de criar vinculo com o recém nascido entre outras dificuldades. Foi verificado em vários estudos realizados que estas gestantes na maioria das vezes tem parto prematuro, e o risco de pré-eclampsia e 1,3 % maior”, finalizou o deputado.