17 de janeiro de 2021
Campo Grande 26º 23º

Despejo de vereadores está nas mãos de Gilmar Olarte

A Prefeitura Municipal têm menos de 48 horas para solucionar o problema que ronda os corredores da Câmara de Vereadores de Campo Grande e evitar o despejo dos parlamentares. O presidente da Casa de Leis e vereador, Mário César (PMDB), se diz tranqüilo com a situação, pois a Câmara deixou de ser vista como a “caloteira que não paga o aluguel”, e que no momento, está nas mãos do prefeito Gilmar Olarte (PP), evitar ou não o despejo dos vereadores.

O prédio foi desapropriado no mês passado e o proprietário, a empresa Haddad Engenheiros Associados, estimou o valor do imóvel em R$ 30 milhões. Além disso, há cerca de R$ 17 milhões em alugueis atrasados, conforme explicou Mário César. O prazo para despejo foi estabelecido em 22 de outubro de 2013. A partir dessa data, a prefeitura teria 180 dias para regularizar a situação da sede da Câmara de Vereadores. O prazo vence nesta quinta-feira.

“A responsabilidade da sede da Câmara de Vereadores é do prefeito de Campo Grande. A população entendeu agora que a Câmara não é caloteira, pois não é ela quem faz o pagamento do aluguel”, acrescenta o presidente.

Mário critica também o Haddad Engenheiros Associados. De acordo com ele, aluguel está atrasado desde o ano de 2005, e apenas 60 meses após o primeiro atraso, ou seja, somente no ano de 2010 é que a empresa teria acionado o atraso.

Mário César, participa na tarde de hoje, de uma reunião com o prefeito de Campo Grande, para conversar, dentre outras pautas sobre o solução do prédio da Casa de Leis. “Pelas conversas está tudo bem encaminhado. Vamos ficar aqui. Não há tempo para pensar em outra alternativa”.

A Câmara de Vereadores retornou no início deste ano, mais de R$ 7 milhões, provenientes do duodécimo que poderão ser utilizados para auxiliar a negociação. “A Câmara de Vereadores de Campo Grande é a única capital do Brasil que tem um prédio alugado”.

Tayná Biazus