31 de outubro de 2020
Campo Grande 26º 18º

Giroto critica trabalho da Agetran e Saliba rebate que faltam verbas

O secretário estadual de Obras Públicas e de Transportes, Edson Giroto, criticou nesta manhã a medida anunciada pela Agetran (Agência Municipais de Transporte e Trânsito de Campo Grande), quando ainda estava sob a direção de Kátia Castilho, para reduzir os acidentes no cruzamento da Avenida Mato Grosso com a Via Park na região central da Capital através da implantação de semáforos no local. “Não foi feito por um engenheiro competente”, declarou.

Para o secretário, a solução definitiva para o trânsito naquela área só seria possível com a construção de um viaduto. Procurado pelo MS Notícias, o atual diretor-presidente da Agetran, Jean Saliba, declarou que o secretário está correto em sua projeção, mas que faltam recursos para a construção de um viaduto e a intervenção semafórica do cruzamento será a solução do problema a curto prazo.

“Eu acho que ele está correto na crítica dele quando fala que a solução ali seria a construção de um viaduto, mas ao mesmo tempo a gente tem que saber que a construção de um viaduto precisa de um investimento de valor considerável, que precisa de recursos federais. Estamos com o projeto de construção que já vai fazer parte do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), vai ser contemplado. E é preciso lembrar que para executar o viaduto demanda um bom tempo. Temos uma proposta que seja paliativa para atender a demanda de agora, possivelmente uma intervenção semafórica. Se fizermos isso é porque fizemos uma pesquisa antes”, disse.

Segundo Giroto, um recurso de R$ 184 milhões está disponível para a implantação do viaduto próximo a fábrica da Coca-Cola, na Avenida Gury Marques, mas nunca foi usado. Jean Saliba explicou que há um projeto no Planurb (Instituto Municipal de Planejamento Urbano) para a execução da obra, mas o recurso ainda não foi liberado. “Só está faltando agora dinheiro. As secretarias de obras do Estado e do município precisam trabalhar juntas. Não é uma crítica, tem que ponderar, o Estado pode ajudar a nossa cidade”.

Conforme Saliba, a prioridade da Agetran neste momento é atender setores mais emergenciais como sinalizar em frente as escolas antes do retorno das aulas, sinalizar as vias recém recapeadas e dar continuidade aos demais serviços.

Diana Christie