19 de maio de 2024
Campo Grande 20ºC

ELEIÇÕES 2022

Lula expõe Moro, sigilos de 100 anos de Bolsonaro e bate na TV Globo

Sabatina ao ex-presidente, candidato em 2022 no Brasil

A- A+

Em entrevista ao Jornal Nacional, da Globo, na noite desta quinta-feira (25.ago.22), o ex-presidente Lula (PT) expôs o ex-juiz Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro (PL) e a própria emissora carioca, de forma indireta, em uma só resposta ao âncora William Bonner sobre corrupção. 

O âncora abriu a entrevista citando que o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou Moro parcial e anulou a condenação de Lula no caso "triplex do Guarujá", mas enfatizou que "houve corrupção na Petrobras". "Como o senhor vai convencer os eleitores que isso não vai se repetir?", perguntou Bonner.

Lula, então, disse que considera importante tocar nesse tema pois, segundo ele, foi "massacrado durante 5 anos" e hoje está "tendo a oportunidade de falar disso abertamente ao vivo". 

"Primeiro, a corrupção só aparece quando você permite que ela seja investigada. Foi no meu governo que a gente criou o Portal da Transparência, Lei de Acesso à Informação, lei contra o crime organizado, lavagem de dinheiro, Coaf", afirmou o ex-presidente, citando outras medidas de fortalecimento de mecanismos de combate à corrupção criados em seu governo. 

Na sequência, Lula citou a operação Lava Jato. "Enveredou um caminho complicado. Saiu do limite da investigação e passou para a política. O objetivo era condenar o Lula", declarou, relembrando da ocasião em que, durante oitiva com Sergio Moro, disse frente a frente ao ex-juiz: "Você está condenado a me condenar". 

O petista ainda relembrou que o primeiro habeas corpus protocolado por sua defesa contra sua condenação no caso do "triplex do Guarujá" foi muito antes das revelações de Walter Delgatti, o "hacker de Araraquara", que trouxe à tona mensagens de procuradores da operação. "Depois tudo se comprovou", disse, fazendo referência às ilegalidades da operação que sua defesa já apontava. 

"Vou dizer: não há hipótese. Quero voltar à presidência, e qualquer hipótese de qualquer crime, essa pessoa será investigada, julgada e punida. É assim que se combate a corrupção", emendou. 

Bonner, então, insistiu, perguntando que medidas Lula tomaria para evitar casos de corrupção em um eventual próximo governo. "As primeiras medidas estão colocadas. Eu poderia ter escolhido um procurador engavetador, poderia ter feito isso e não fiz, escolhi da lista tríplice. Poderia ter colocado um delegado na Polícia Federal que eu pudesse controlar, não fiz. Vamos continuar criando mecanismos para investigar qualquer delito na máquina pública brasileira", pontuou.

Logo depois, Lula expôs Bolsonaro: "Eu poderia, por exemplo, fazer decreto de sigilo de 100 anos, sabe, que está na moda? Sigilo para os meus filhos, assessores. Ou colocava um tapetão para não investigar". 

Na mesma resposta, o ex-presidente ainda teve tempo para expor, de forma indireta, a própria TV Globo: "Aqui no Brasil as pessoas são condenadas por manchetes de jornal". 

FONTE: REVISTA FÓRUM.