19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

MPE descarta relatório da CPI da Saúde e arquiva denúncia contra Nelsinho e Mandetta

A- A+

O MPE (Ministério Público Estadual) resolveu arquivar as denúncias de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad e contra o ex-secretário municipal de saúde Luiz Henrique Mandetta apresentadas pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Saúde da Assembleia Legislativa. A denúncia pedia a apuração "de prática improbidade administrativa exposta no Relatório Final da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde”.

A CPI foi presidida pelo deputado estadual Amarildo Cruz (PT) e foi responsável por diversas denúncias na área da saúde, em especial em relação ao Gisa, sistema de agendamento de consultas por telefone, contratado pelo município de Campo Grande, em 2008, sob gestão do ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB). O sistema custou quase R$ 10 milhões e nunca saiu do papel.

Outro denunciado pela CPI é o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM), na época secretário municipal de saúde. Naim Alfredo Beydoun, , outro ex-secretário municipal de Saúde da Capital, Leandro Mazina, a chefe da Divisão de Convênios e Gestão Responsável pelas Liberações dos Recursos Federais, Silvia Raquel Bambokian, a coordenadora do Gisa, Maria Cristina Abrão Nachif, o presidente do IMTI, João Yamaura, o chefe do setor de Licitações, Bertholdo Figueiró, o ex-diretor do HU/UFMS, José Carlos Dorsa e o ex-diretor do Hospital do Câncer, Adalberto Siufi também foram indiciados pela CPI.

Heloísa Lazarini