27 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

Para defender Bernal, Alex fala de contrato irregular de Nelsinho

Para provar que o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), está sendo injustiçado, o vereador Alex do PT lembrou-se do contrato realizado pelo ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB) com a Solurb, empresa responsável pela coleta de lixo da Capital. “A comissão processante é apenas uma cortina de fumaça pra chegar lá na frente e orientar pela cassação. O processo do Nelsinho Trad com a Solurb ninguém fala nada. O contrato foi anulado pela justiça, pois tinha evidência de favorecimento, de fraude e manipulação. Um contrato milionário de 25 anos”, declarou.

Segundo o vereador, a comissão processante que investiga indícios de improbidade administrativa procura uma cassação política. “Não tem razão nenhuma para acontecer o afastamento, estão acelerando todo o processo numa situação totalmente anormal. Não tem necessidade nem de ter essa comissão processante. Não tem corrupção, não tem improbidade administrativa. Ali na câmara não tem jeito. O clima está desenhado. Estão fazendo as oitivas só para disfarçar. É uma cassação politica”, defende.

Além disso, Alex defende a atitude do prefeito ao procurar o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para denunciar o desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva que concedeu liminar para a Câmara Municipal dar continuidade aos trabalhos de investigação na madrugada da última quinta-feira. “Se ele considerou abuso, acho que tem que buscar o que tem direito, dentro daquilo que está estabelecido na justiça, na legalidade. É uma situação totalmente inusitada. É lógico que ele tem toda a condição de questionar. Estamos num Estado democrático de direito. Nós temos o direito de reagir ao que está acontecendo”.

O vereador ainda argumenta que procurar o CNJ é a maneira de Bernal não ser conivente com os adversários. “O pedido não é ofensivo, ele está simplesmente questionando um procedimento. Isso é normal. O que ele não pode é ficar quieto diante disso. Ficar quieto é o mesmo que concordar com esse tipo prática. Tem que repudiar, gritar, espernear e mostrar a situação”, finalizou.

Diana Christie