29 de outubro de 2020
Campo Grande 24º 19º

Membros do PMDB MS participam de reunião em Brasília para discutir reforma ministerial

Os peemedebistas de Mato Grosso do Sul, depois de permanecerem em longo silêncio sobre a reforma ministerial, resolveram se manifestar e anunciaram que, assim que o trabalho de legislativo federal retornar em Brasília, irão se reunir com o colegiado nacional do partido, que reúne as principais lideranças de todos os estados brasileiros e seus respectivos presidentes de diretórios regionais, para discutir o posicionamento do PMDB caso Dilma não amplie o número de ministérios do partido e e, em especial, não conceda ao PMDB o ministério da Integração nacional, que tem sido pleiteado desde 2013. A reforma ministerial tem causado divergência entre o PMDB, que desde o início do governo Dilma, é o principal partido aliado da presidente no Congresso e se tornou moeda de troca, pois a próptia presidente está usando os ministérios para trazer novos partidos para sua base aliada, o que, além da ampliação de palanques políticos pelo interior do país, trará à presidente mais tempo de propaganda partidária em televisão.Diante da resistência de Dilma em aumentar o número de ministérios do PMDB, que hoje possui seis, muitas lideranças do partido de expressão nacional passaram a considerar a saída do partido da base aliada de Dilma. No entanto, em Mato Grosso do Sul, devido ao apoio declarado do governador André Puccinelli à presidente, o diretório regional afirma que se manterá leal a Dilma, independente, inclusive da disputa eleitoral pelo governo do estado entre Nelson Trad Filho (PMDB) e o senador Delcídio do Amaral (PT). “O PMDB é o partido que faz sustentação ao governo federal, é uma peça fundamental. Ela (Dilma) não vai querer perder a base”, afirma Mochi. Já o senador Moka (PMDB) não tem dúvidas de que a presidente sabe o valor do partido, e por isso saberá dialogar da melhor forma e terá a melhor escolha. Assim como seus correligionários, deputado federal Geraldo Rezende, apesar de não estar envolvido diretamente com essa questão, afirma que o PMDB tem dimensão do seu tamanho e não quer ficar sub-representado nas questões ministeriais. “Para o partido não é viável assumir um ministério que não tem capitalidade e representatividade nos estados” afirma. Tayná Biazus, Heloísa Lazarini e Clayton Neves