05 de agosto de 2020
Campo Grande 31º 16º

Reforma ministerial apresentada por Dilma será feita em duas etapas

dilma

Se antes a expectativa era de que a reforma ministerial da presidente Dilma Rousseff ocorresse até janeiro, espera-se agora que as trocas aconteçam em duas etapas, e se estendam até meados de abril. Pelo menos 13 ministros devem deixar suas pastas para disputar cargos, principalmente de governador, nas eleições de 2014. O limite para a saída é seis meses antes do pleito, que acontece em outubro.

A mudança no plano acontece após a defesa, pelo ex-presidente Lula, de que se nomeie aliados políticos em alguns dos ministérios que devem ficar vagos. A presidente ganha então mais tempo para articular com partidos da base aliada, de quem irá analisar as indicações para os cargos e quem formará o grupo de apoio à candidatura à reeleição ao Palácio do Planalto da candidata do PT.

A estratégia é segurar as siglas que hoje compõem a base de sustentação do governo no Congresso, lutando para que elas não se sintam insatisfeitas e passem a apoiar o ex-aliado petista e governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), e sua nova parceira Marina Silva. Uma reforma menor deve ser feita primeiro, em janeiro, e outra, movimentando cerca de dez nomes, aproximadamente dois meses depois.

Assessores da presidente afirmam que a petista tem consciência sobre o fato de que a demora para realizar a reforma causa atritos na base. Alguns exemplos de aliados que querem indicar seus filiados às pastas são o PMDB, que escolheu o nome do senador Vital do Rêgo (PB) para o ministério da Integração, e o PDT, que almeja o cargo de titular do Trabalho, mas corre o risco de ficar sem o posto caso não anuncie logo apoio a Dilma.

Alguns critérios para que os ministros saiam antes ou depois do Executivo nacional têm relação direita com as eleições. A ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil), por exemplo, que pretende disputar o governo do Paraná, deve deixar o cargo antes para se dedicar à campanha e se defender dos ataques que têm recebido do tucano Beto Richa. Já o titular da Saúde, Alexandre Padilha, deve ficar mais tempo no governo, uma vez que é pouco conhecido em São Paulo, onde concorrerá pelo cargo do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Semanas a mais à frente do programa Mais Médicos garantirá mais visibilidade ao petista.

Outros ministros cotados para sair da equipe de Dilma Rousseff são o do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, que lançará seu nome ao governo de Minas Gerais no ano que vem, Ideli Salvatti, da Secretaria de Relações Institucionais e possível candidata em Santa Catarina, Marco Crivella (Pesca e Aquicultura), no Rio de Janeiro, e Gastão Vieira (Turismo), que deve disputar mais um mandado de deputado federal.

Além desses, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, tem convites para atuar na área internacional e já conversou com Dilma para sair até janeiro, apesar de nada estar confirmado oficialmente ainda. Os titulares da Cidades, Aguinaldo Ribeiro, e do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, também deverão deixar os seus postos na reforma.

Brasil 247