24 de maio de 2024
Campo Grande 23ºC

'EXPORTAÇÃO DE PICANHA'

Tebet aponta 'rota 4' no Pacífico como coringa do governo Lula

Ministra celebra marcos históricos na habilitação de exportação de picanha para a China

A- A+

Em Campo Grande (MS) nesta 6ª.feira (12.abr.24), o presidente Lula (PT) celebrou a 1ª carga de exportação de picanha com destino à China.

Ao lado dos ministros Carlos Fávaro (Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil) e Simone Tebet (Planejamento e Orçamento) e com o governador Eduardo Riedel (PSDB), Lula visitou as instalações da planta da JBS aprovada na capital sul-mato-grossense.

Além dos políticos brasileiros, foram anfitriões da visita os empresários irmãos Wesley e Joesley. Representando a China, esteve no ato o embaixador chinês Zhu Qingqiao.

A ex-senadora e agora ministra Simone Tebet iniciou o seu discurso apresentando dados sobre as conquistas do primeiro ano do governo Lula no combate à fome. “No planeta, somos 8 bilhões de seres humanos. O Brasil alimenta 1 bilhão, alimenta o Brasil e o mundo. Só que lamentavelmente um terço da humanidade ainda passa fome. Determinação do presidente Lula para a sua equipe econômica comandada pelo ministro Haddad: bote a máquina para rodar, eu que quero virar o ano e a cada ano que quero números. E eu venho apresentar um número para vocês, e um número que o presidente Lula adora: em apenas um ano, 13 milhões de brasileiros saíram do mapa da fome. Mais do que isso, nós conseguimos inserir em um ano e dois meses mais dois milhões de brasileiros no mercado de trabalho”, revelou Tebet.

Ela ainda disse que a nova planta significa mais exportação e abrir o mercado brasileiro para o mundo. "Nós vamos exportar significa mais emprego sendo gerado aqui, mais renda no comércio, consequentemente mais emprego sendo gerado numa economia circular..., mas para isso, nós precisamos de logística, precisamos de estradas, nós precisamos de ferrovias, nós precisamos de portos, aeroportos e cabotagens. Precisamos e já está acontecendo no PAC, quase R$ 70 bilhões por ano está sendo investido em obras de infraestrutura”, declarou.

Então, Tebet apresentou dois mapas, um deles a Rota de Integração Regional. "Há 30 anos atrás o Brasil importava mais do que exportava, então o mundo e o Brasil só olhava para o Atlântico, só molhava para São Paulo, para Santos. De um tempo para cá, de 30 anos para cá seu Zé Mineiro, o PIB do Brasil está no Centro-Oeste brasileiro, está em parte do Norte, está em parte do Sul, está muito mais próximo do Pacífico. No mapa, quando nós olhamos, é muito mais rápido, muito mais econômico, muito mais lucrativo exportar pelo Pacífico. E aí eu apresento a vocês as cinco rotas de integração do governo do presidente Lula, para nós só interessa [agora] a rota 4”, disse a ministra.

O canal de exportação citado como importante para Mato Grosso do Sul é a Rota Bioceânica. "Esta rota, é a rota que vai permitir que a JBS, que todos os produtos que plantamos da agricultura familiar, da pecuária, do agronegócio possam chegar mais rápido e mais barato para a China. Esta rota, já está pronta toda a faixa do lado do Brasil, falta a ponte em Porto Murtinho, que presidente Lula, se Deus quiser, inaugura no 2º semestre do ano que vem, do ano de 2025. Também começa a construção pelo PAC de mais de R$ 400 milhões, da alça interligando e o restante do asfalto da 419. Aí nós estamos falando de recurso do orçamento para Mato Grosso do Sul de mais de R$ 700 milhões”.

Tebet concluiu revelando que a ordem do presidente Lula é oferecer trabalho com bons salários, para que haja boa alimentação para o trabalhador. "Nós estamos determinados a cumprir a determinação do presidente Lula: carne, carne vermelha na mesa de todos os brasileiros. Picanha mais barata, presidente, essa é a determinação de vossa excelência, essa é a nossa missão. Muito obrigada, fiquem todos com Deus. Fé na vida, fé no Brasil. Viva Mato Grosso do Sul, a terra do Pantanal, a terra da carne vermelha e a terra do tereré", completou Tebet.

NOVAS HABILITAÇÕES

Com a habilitação da nova planta, MS passa a ter 9 frigoríficos habilitados para exportar à China. Até o momento foram abertos 105 novos mercados para os produtos brasileiros da agropecuária.

A habilitação dos frigoríficos JSB (uma unidade em Naviraí e duas plantas em Campo Grande), Marfrig em Bataguassu, Prima Foods em Cassilândia e Boibras em São Gabriel do Oeste terão um “incremento gigantesco” para a economia sul-mato-grossense.

Ao todo, foram habilitadas 38 frigoríficos nacionais para a exportar carnes para a China. As novas plantas habilitadas trarão um incremento de R$ 10 bilhões na balança comercial brasileira no decorrer de um ano.