20 de outubro de 2020
Campo Grande 30º 21º

ENTREVISTA

Tebet diz que Bolsonaro governa em uma "bolha virtual"

Após 1 ano, governo não fez mudanças importantes e se quer conseguiu organizar uma base política

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, senadora sul-mato-grossense Simone Tebet (MDB), a primeira mulher a ocupar o cargo, afirmou na noite de ontem (9, março) durante a participação no programa Roda Viva, da TV Cultura, que Bolsonaro “talvez não esteja percebendo que depois de um (1) ano de governo, acaba a lua de mel”. A mulher mais importante do congresso fez críticas ao presidente no sentido de afirmar que ele está destinando atenção política às redes sociais e colocando em segundo plano o que as ruas dizem. 

A três-lagoense, que também foi prefeita do município de Três Lagoas por dois mandatos, disse que há saídas possíveis e inteligente para o contexto de crise do país que estão sendo deixadas de lado por Bolsonaro. “O presidente da república vive em uma bolha virtual”, criticou a senadora.

Ela ensossa um coro, já que Bolsonaro brinca de ser presidente e não age em favor do país. Um site vergonhoso chamado “Zap Bolsonaro” relaciona ‘fakes News’ em favor do mandatário, que no dia de explicar ao mundo o porquê o país cresceu apenas 1,1% mandou um comediante representa-lo frente a imprensa do mundo que o esperava na porta do Palácio do Planalto. 

Tebet, afirmou que o presidente gerir com militares em cargos de destaque não é um problema.  A parlamentar ainda ilustrou qual deve ser o futuro de Sergio Moro. “Vai para liderança do Supremo Tribunal Federal (STF) como uma estratégia de governo, para deixar a reeleição de Bolsonaro livre de disputas da ala anticorrupção”, opinou. 

Mesmo não tendo grandes avanços nesse mandato, Bolsonaro já começa a dar indícios de que vai a reeleição. Em discurso nessa semana o Presidente chegou a afirmar e dizer eu tem provas de que ele, foi eleito no 1º turno nas eleições de 2018. Conforme Bolsonaro, ele apresentará provas de mais essa afirmação. As declarações de Bolsonaro já se tornaram cumulativa e nenhuma ele apresentou provas até o momento.

O guru de Bolsonaro, Paulo Guedes disse ontem (9), que assiste a crise no mundo econômico com tranquilidade. Que para vencer a crise precisa de reformas, que por sua vês devem ser votadas pelos senadores no Congresso Nacional. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia ‘saltou na outra quadra’, dizendo logo em seguida, que "o diálogo tem que ser entre os poderes, e não somente o Congresso", rebateu. 

Bolsonaro, por sua vez, atravessou as negociações com certa falta de respeito pelos Poderes. Convocou sua tropa nas redes par5a manifestações contra “quem votará as reformas”, uma medida “inteligente”, acreditou o presidente.

Tebet , que em 2014 foi eleita para o Senado, com 640 mil votos, ou 52%, sendo a candidata mais votada em 466 dos 474 municípios do Estado, vê com bons olhos as atitudes de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre diante da política nacional. “Eles têm o equilíbrio necessário ao Executivo no momento”. Ela também disse que agora não é momento para a “água ferver” e o que seria necessário nesse momento para evitar um agravamento na crise institucional que o Brasil atravessa é o diálogo.

MULHER NO SENADO

A senadora Simone Tebet disse que hoje não sofre mais preconceitos de gênero. O que aconteceu por muito tempo foram agressões verbais, discriminações veladas e psicológicas. “O fato de eu estar como primeira mulher na comissão mais importante e técnica do senado abre caminho para novos horizontes para as mulheres”.

A parlamentar disse, ainda que é necessário quebrar paradigmas como a maior parte das mulheres estarem concentradas em comissões que envolvem direitos humanos, enquanto os homens se encarregam das decisões econômicas.