28 de setembro de 2020
Campo Grande 34º 24º

Tereza Cristina lembra a importância da mulher na sociedade

Foi comemorado no sábado o dia internacional da mulher, e para a secretária de desenvolvimento agrário, produção, indústria, comércio e turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, esta é uma data muito importante, pois da a oportunidade de chamar a atenção para o papel e a importância que as mulheres ocupam nos dias de hoje em quase todas as economias do mundo.

O dia internacional da mulher é um fato histórico acontecido em oito de março de 1857, quando operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução da carga horária de trabalho diário de 16 para 10 horas. Mulheres que recebiam menos de um terço do salário dos homens foram fechadas na fábrica onde cerca de 130 , morreram queimadas. Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas trabalhadoras, comemorar o 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher".

Durante grande parte da História do Brasil, as mulheres não tiveram participação, por exemplo, na política, pois a elas eram negados os principais direitos políticos como votar e se candidatar. Somente em 1932, durante o governo de Getúlio Vargas, as mulheres conquistaram o direito do voto. De lá para cá várias outras conquistas vêm acontecendo. Surgiram movimentos pela melhoria das condições de vida, de trabalho, a participação politica,o acesso à instrução e a igualdade de direitos entre os sexos.

É preciso lembrar que, mais importante que ocupar locais de destaque, o diferencial deve ser exercer esse poder como mulher respeitando as características como sensibilidade e senso de justiça. “Não é a toa que estamos cada vez mais presentes em setores como a educação, a economia, a política”.

O aumento da participação feminina em setores, antes ocupado em sua maioria pelos homens, é indiscutível.  A secretária lembra que vem de um setor, o agronegócio, onde a mulher sempre esteve em minoria. “Realidade que começou a mudar com a competência e a sensibilidade inerentes à personalidade feminina. A diferença não está na capacidade, mas na forma de gestão, prioridades e comunicação. Mas é preciso não deixar de lado o diálogo e a aproximação cada vez maior entre mulheres e homens com o objetivo de acabar com diferenças que ainda persistem”, conclui Tereza.

 Tayná Biazus