29 de maio de 2024
Campo Grande 14ºC

BABADO URGENTE

Bolsonaro e Michelle 'rompem' de vez relação, menos de dez horas após derrota do candidato

Jair Bolsonaro e Michelle deixaram de se seguir nas redes sociais menos de dez horas após a derrota na votação em busca da reeleição

A- A+

Pouco mais de dez horas após o fim das eleições do segundo turno que deram a presidência a Lula, internautas repararam em algo peculiar nas redes sociais, nesta segunda-feira (31). Jair Bolsonaro e Michelle Bolsonaro trocaram unfollow no Instagram, ou seja, simplesmente deixaram de se seguir.


Em vários perfis que falam de celebridades como o Choquei e Rainha Matos, a repercussão da troca de unfollow chamou bastante atenção. É só digitar o nome de presidente no perfil da primeira-dama e vice-versa que não é possível encontrar seus nomes na lista de seguidores.

Inclusive alguns Instagrans de fofoca afirmam que Michelle e Bolsonaro estavam separados a mais de 2 anos, a fachada do casamento só iria continuar com a reeleição. Ambos só tinham interesses políticos em comum, seria um escândalo p/ o público evangélico noticiarem a
separação dos mesmos, portanto, o casamento se encerra agora.

REAÇÃO DO PÚBLICO

Internautas se mostraram temerosos com o que pode acontecer agora que a família de Jair Bolsonaro perdeu. “Cortina de fumaça”, apontou uma mulher chamada Nathaly Scharam. Uma outra chamada Valéria Morais ironizou: “Ela deve ter votado no Lula”. Há também quem pontuasse que um possível contrato entre o casal acabou.

Desde o resultado saiu ontem, Bolsonaro e Michelle estão em completo silêncio. Nenhum dos dois se pronunciou sobre a derrota nas eleições e muitos apoiadores exigem interferência das Forças Armadas. Para muitos, a falta de pronunciamento do presidente preocupa alguns eleitores.

VOTAÇÃO ACIRRADA

Luiz Inácio Lula da Silva venceu com 50,9% dos votos contra 49,1% de Bolsonaro. A disputa foi extremamente acirrada, com cerca de 2 milhões de votos de diferença entre um e outro. O resultado só foi divulgado com cerca de 99% de urnas apuradas pelo Brasil.
 

Antes do fim da votação, o Brasil foi tomado por ações da PRF (Polícia Rodoviária Federal), que impediu a passagem de ônibus por cidades do Nordeste, que é a região que mais vota no presidente eleito Lula.
 

Reprodução Rede Globo