19 de maio de 2024
Campo Grande 20ºC

POLÊMICA

Michael Jackson usou quase 20 identidades falsas para conseguir drogas

No último dia 29 de agosto, ele completaria 63 anos, se estivesse vivo

A- A+

Michael Jackson morreu aos 50 anos no dia 26 de junho de 2009 em sua mansão em Los Angeles, por conta de uma parada cardíaca, causada pelo uso excessivo do analgésico propofol, droga que teria sido supostamente pelo médico Conrad Murray, que chegou a ser preso e considerado culpado pela morte do Rei do Pop.

No último dia 29 de agosto, ele completaria 63 anos, se estivesse vivo (há quem diga que ele não morreu!) e, no próximo dia 6 de setembro, um documentário em torno da morte do astro será lançado na Fox, às 20h, com o título “TMZ Investigates: Who Really Killed Michael Jackson”.

 

Segundo detalhes presentes no projeto, Conrad Murray suportou o peso do ódio público, embora Jackson estivesse abusando de drogas durante grande parte de sua vida em doses alarmantes e supostamente teve “acesso facilitado” para isso por uma série de outros médicos que nunca viram um dia na cadeia após a morte do Rei do Pop.

“É muito mais complicado do que apenas: Dr. Murray estava ao lado de sua cama quando morreu. As circunstâncias levaram à sua morte por anos, e todos esses diferentes profissionais médicos permitiram que Michael ditasse seus próprios termos, pegasse os remédios que quisesse, quando quisesse, onde quisesse. Todos eles são a razão pela qual ele está morto hoje”, disse Orlando Martinez, o detetive da polícia de Los Angeles designado para a morte de Jackson, no documento.


Vale ressaltar que, no momento da morte, Michael Jackson estava tomando propofol em garrafas do tamanho de “Gatorade” no momento de sua morte, de acordo com Ed Winter, o legista-chefe assistente do condado de LA.

A comunidade médica, de muitas maneiras, facilitou sua obsessão pela substância, de acordo com Murray, que acrescenta que o propofol “era a única maneira de dormir, especialmente quando estava se preparando para uma turnê”.


“Não era grande coisa – ele o usava há décadas, diferentes médicos o haviam dado a ele de todo o mundo … e eles permitiam que ele às vezes injetasse o remédio. Ele foi capaz de empurrar o propofol sozinho, e os médicos permitiram que ele fizesse isso, e tudo bem“, disse Murray.

O especialista em vícios, Dr. Drew Pinsky, revelou que o propofol não é um medicamento que deve ser usado para tratar a insônia nem que é rotineiramente armazenado fora das instalações médicas e que o cantor ainda foi viciado em outras substâncias ao longo de sua carreira.

É importante lembrar que os problemas com abusos de analgésicos por parte de Michael Jackson começaram em 1984, quando ele sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus no couro cabeludo durante um desastre pirotécnico enquanto filmava um comercial da Pepsi.

 

“Me tornei cada vez mais dependente dos analgésicos para me ajudar nos dias da minha turnê”, disse Jackson em áudio arquivado, explicando por que cancelou a última parte de sua turnê mundial “Dangerous”, de 1993.

As coisas só pioraram nos anos seguintes, quando Michael Jackson começou uma amizade com o famoso dermatologista de Hollywood Arnold Klein, que morreu aos 70 anos de causas naturais em 2015. Após a morte, Klein confessou que distribuiu o medicamento Demerol junto com mais substâncias para o astro.


Jackson estava tomando Demerol em colossais 300 miligramas cada vez que ele era manipulado, de acordo com Pinsky. O cantor pop até menciona a substância em sua faixa de 1997, “Morphine”.

No documentário, Debbie Rowe, ex-esposa de Jackson que trabalhou para Klein como assistente por anos, falou apenas sobre o médico e não sobre o pai de seus filhos, e confessou que Klein era conhecido por fazer coisas antiéticas para atrair a elite de Hollywood em seu escritório.

“Houve momentos em que ele prescrevia receitas para coisas que não tinham nada a ver com o que estávamos tratando. Ele escrevia prescrições que não condiziam com o que um dermatologista normalmente prescreveria”.


Com a amizade entre Michael Jackson e Klein ficando cada vez maior, o médico supostamente ajudou o Rei do Pop com documentos falsos para que ele conseguisse a quantidade de medicamentos que quisesse.

Jackson criou 19 identidades falsa para conseguir diferentes drogas, e Klein manteve um livro especial anotando quais prescrições foram para cada identidade falsa.

“A maneira como Michael conseguiu todas essas drogas foi fazer compras médicas. Ele tinha vários médicos diferentes com os quais estava envolvido e ele ia ao ‘Doutor A’ e pedia um sedativo, e então ele ia ao ‘Doutor B’ e podia pedir o mesmo. Michael é responsável, em grande parte, por sua própria morte, mas certamente teve muita ajuda da comunidade médica”, afirmou o cirurgião plástico de Michael Jackson, Dr. Harry Glassman.


No vídeo, Murray revela que foi enganado por Michael Jackson, pois achava que era o único médico do Rei do Pop.

“Ele fez parecer que eu era seu único médico. Se eu soubesse que Michael estava indo ao consultório de um dermatologista ou a qualquer médico e tomando opióides diariamente, haveria uma dança de dois passos. Um, ele tem um problema; dois, eu vou levá-lo para onde precisa ser tratado – e se ele não fizesse isso, eu estaria fora”, revelou.

Kenny Ortega, o diretor da turnê “This is It”, que estava sendo preparada por Michael Jackson, contou que via sinais de paranoia e ansiedade no cantor.


“Havia fortes sinais de paranoia, ansiedade e comportamento obsessivo. Acho que a melhor coisa que podemos fazer é chamar um psiquiatra de primeira linha para avaliá-lo o mais rápido possível. Não há ninguém assumindo a responsabilidade. Cuidando dele, diariamente”, dizia um e-mail de Ortega na época dos ensaios.

Jackson também estava ensaiando para a turnê que exigiu tanto dele até o dia anterior à sua morte em 25 de junho – mais um fator em sua própria morte.

Orlando Martinez, o detetive da polícia de Los Angeles, ainda contou que tem muita gente que não teve um “acerto de contas” com o envolvimento na morte de Michael Jackson.