19 de maio de 2024
Campo Grande 20ºC

ASSASSINATO

"Não tem psicopata recuperado", diz Gloria Perez sobre Guilherme de Pádua

A autora Gloria Perez fala que não acredita na recuperação dos dois assassinos de Daniella.

A- A+

Questionada algumas vezes sobre não acreditar na recuperação de Guilherme de Pádua e Paula Thomaz (que agora assina Peixoto), Gloria Perez afirma que os dois assassinos de sua filha, Daniella Perez, não são capazes de se regenerar.

“É claro que as pessoas podem ser recuperadas. Mas isso não inclui os psicopatas. Não se tem notícia de psicopata recuperado. E Paula e Guilherme são psicopatas de carteirinha.”
 

Em entrevista, a autora de Travessia explica ainda o porquê de os dois não terem dado depoimento para a série Pacto Brutal, que está disponível do HBO Max: “O que eles disseram para se defender, antes e durante o julgamento, está na série. Ouvi-los agora para quê? Para perguntar como estão passando? Não faz sentido dar palco a psicopata.”

A ideia do documentário não foi de Gloria, que afirma não ter vivido o luto pela morte da filha mesmo depois de quase 30 anos. A novelista foi procurada pela diretora Tatiana Issa, que assegurou que faria um trabalho sem sensacionalismo.
 

A história não está sendo recontada: está sendo contada – é a primeira vez que se dá voz aos autos do processo que condenou os dois assassinos por homicídio duplamente qualificado”, explica ela.

Na entrevista, a autora rechaça ainda que o crime tenha sido um feminicídio.


“A motivação dos dois é muito clara: redução de personagem, inveja, vingança. O fato de ser mulher importou para o tratamento que a imprensa deu ao assassinato. Como bem diz meu filho: se um homem é encontrado espancado e apunhalado 18 vezes num local de desova, a pergunta é: quem jogou ele lá? Quando se trata de uma mulher, não falta quem especule: o que ela foi fazer lá?”


Hoje, Guilherme é pastor da Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte – Direitos autorais: Reprodução/Instagram.
Gloria também fez questão de esclarecer a ausência do pai de Daniella, que morreu dois anos depois da filha.