26 de outubro de 2020
Campo Grande 27º 22º

Flamengo vence o Atlético-PR e é campeão no Maracanã

Foi mais do que o torcedor do Flamengo pediu. Depois de sofrer por 83 minutos, a segurar um 0 a 0 que lhe favorecia, o time carioca deixou para o fim o desfecho apoteótico de uma caminhada improvável rumo ao título da Copa do Brasil. Elias e Hernane balançaram as redes quando a conquistava estava mais ameaçada e selaram a vitória por 2 a 0 sobre o Atlético Paranaense, nesta quarta-feira à noite, no Maracanã.

Foi adequado que o volante e o artilheiro tenham coroado suas ótimas temporadas com os gols que vão ilustrar em reprises a terceira Copa do Brasil vencida pelo Flamengo. Elias e Hernane foram os pilares de um time que mudou de cara com a efetivação do técnico Jayme de Almeida. Eles apenas representaram na decisão o espírito coletivo de uma equipe que superou deficiências óbvias para derrubar favoritos ao longo do caminho até a homérica festa desta noite num estádio lotado, um Maracanã que reviveu seus dias históricos, com a primeira final de uma competição desde a reabertura.

Em sua caminhada até o tricampeonato, o Flamengo derrubou o campeão brasileiro (Cruzeiro), o atual vice-líder (o próprio Atlético), o quarto e o quinto colocados do Campeonato Brasileiro (Goiás e Botafogo). Não há como colocar senões no triunfo obtido pelo time rubro-negro do Rio.

Assim como Elias e Hernane, o time todo utilizou de coração e humildade, sim, mas também de aplicação tática e qualidade técnica, e uma precisão para marcar gols na hora em que eram mais necessários. Ao destemido time paranaense, os méritos por construir uma temporada em que superou qualquer projeção mais otimista. Deixou a Série B do ano passado para ser vice-campeão da Copa do Brasil e estar na disputa, com grandes chances, para conquistar uma vaga na Libertadores via Brasileiro.

Libertadores para a qual o Flamengo garantiu seu posto. E a expectativa para a próxima temporada, quando a diretoria promete investimentos mais vultuosos, será muito maior. Pois esse time campeão jamais esteve em alta posição nas bolas de apostas brasileiras. E nele se destacam outros nomes sem o qual os flamenguistas não estariam celebrando mais uma conquista em âmbito nacional. Leonardo Moura, o capitão e líder por exemplo e por palavra do elenco. Não brilhou no Maracanã, mas a ele coube levantar o caneco, a primeira vez numa longa carreira.

Paulinho foi outro que marcou seu nome na trajetória. De jogador "entra e sai", o atacante ligeiro e ágil tomou controle do lado esquerdo ofensivo e foi uma peste para as defesas. E foi ele quem abriu o caminho para a festa nesta noite, ao fazer uma linda jogada para o gol de Elias, já aos 43 da segunda etapa, quando o Atlético mais ameaçava a meta de Felipe e espalhava um terror palpável pelo Maracanã. André Santos e Ciro foram expulsos por atrito após o gol.

Outro destaque, da final e da reta final da temporada, o volante Luiz Antônio, que alia juventude com maturidade e qualidade técnica. Foi dele a responsabilidade de esfriar o ritmo quando a coisa esquentou. Em arrancada irresistível nos acréscimo, deu de presente um gol ao "Brocador", o 34º no ano, o 17º no Maracanã.  Foi o golpe de misericórdia na valentia paranaense. Era hora da festa nas arquibancadas, que não viram nenhum torcedor flamenguista deixar seu lugar até que a triunfal volta olímpica se concluiu.

FICHA TÉCNICA:

FLAMENGO 2 x 0 ATLÉTICO-PR

FLAMENGO - Felipe; Leonardo Moura (González), Samir, Wallace e André Santos; Amaral, Luiz Antônio, Elias (João Paulo) e Carlos Eduardo (Diego Silva); Paulinho e Hernane. Técnico: Jayme de Almeida.

ATLÉTICO-PR - Weverton; Juninho (Cleberson), Manoel, Luiz Alberto e Pedro Botelho; Deivid, Zezinho, Paulo Baier e Felipe (Dellatorre); Marcelo e Ederson (Ciro).Técnico: Vagner Mancini.

GOLS - Elias, aos 43, e Hernane, aos 48 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Samir (Flamengo); Dellatorre (Atlético-PR).

CARTÕES VERMELHOS - André Santos (Flamengo); Ciro (Atlético-PR).

ÁRBITRO - Leandro Pedro Vuaden (Fifa/RS).

RENDA - R$ 9.733.785,00.

PÚBLICO - 57.991 pagantes (68.857 no total).

LOCAL - Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ).

Agência Estado