23 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 20º

DECRETO

A partir de hoje, comércio abrirá até as 19h em Campo Grande

A ampliação em duas horas e meia do atendimento no comércio varejista

A partir desta terça-feira (14.abril), o horário de funcionamento do comércio varejista de Campo Grande, neste período de quarentena, decretada por causa da pandemia do Covid-19, será estendido até às 19 horas, de segunda a sábado, exceto aos feriados. 

Com a nova regulamentação o comércio varejista vai funcionar das 9 às 19 horas. É o que prevê decreto assinado pelo prefeito Marquinhos Trad nessa segunda-feira (13.abril), que promove algumas adequações no decreto 14.241, do último dia 8 de abril, que regulamentou o funcionamento do comércio neste período, desde a decretação da quarentena.

As lojas de material de construção, salões de beleza, cabeleireiro e consultórios médicos, dentre outras atividades de serviço já autorizadas a funcionar, poderão abrir das 8 às 21 horas. Nas conveniências, só está liberada a venda através do serviço de entrega (delivery). 

A ampliação em duas horas e meia do atendimento no comércio varejista, que desde a reabertura, no último dia (6.abril), funcionava das 9 às 16h30, segundo técnicos da Agência Municipal de Transporte e Trânsito, pode contribuir para evitar aglomerações e diminuir o fluxo de passageiros no transporte coletivo nos horários de pico. 

A limitação de horário (até às 21 horas) não se aplica a farmácias, supermercados, hipermercados, mercados, quitandas, feiras livres, açougues, peixarias, padarias, lanchonetes, centrais de abastecimento, distribuidoras de gás, restaurantes, lojas que vendem alimentos para animais; água mineral e postos de combustíveis.

Com o tempo de funcionamento do comércio ampliando de 7 horas e meia para 10 horas ininterruptas, a expectativa, de acordo com o secretário de Meio Ambiente e Gestão Urbana, Luiz Eduardo Costa, é que o haja uma maior diluição do fluxo de consumidores nas lojas para evitar aglomerações.

Segundo o prefeito Marquinhos Trad, a necessidade de buscar alternativas para reduzir aglomerações foi reforçada com a confirmação nesta segunda-feira das duas mortes por coronavírus na cidade. Também chamaram atenção, os indicadores que mostram redução do isolamento social que após atingir o pico de 64,2% dia 29 de março, nas primeiras semanas após a decretação da quarentena, caiu para 44,3% na sexta-feira passada. 

“Vamos seguir rigorosamente as recomendações da Organização Mundial de do Ministério da Saúde, que indicam o distanciamento social, como a melhor para evitar a disseminação do Covid-19″, pontuou o chefe do Executivo Municipal.

Continuam valendo exigências como o reforço na higienização dos ambientes e a disponibilização de álcool em gel 70% para os clientes; controle de acesso às lojas para evitar aglomerações. Nas lojas de roupas e confecções, os clientes não podem provar as peças do vestuário que forem adquirir.

Está limitada a 30% da capacidade normal, o acesso a  todos os locais de atendimento ao público, independente da atividade. Os estabelecimentos tiveram que demarcar no chão o de distanciamento mínimo de 1.5 metro em filas de pagamento. Máquinas eletrônicas de pagamento via cartão de débito ou crédito, devem ser higienizadas após cada uso.

FISCALIZAÇÃO CONTINUA

Junto com a ampliação, a Prefeitura vai continuar o monitoramento e o trabalho de fiscalização da Semadur, Vigilância Sanitária, com apoio da Guarda Civil Metropolitana, das medidas de biossegurança previstas nos planos de contingência apresentados por segmento do comércio do setor de serviços. 

Até o último sábado, foram vistoriados 3.369 estabelecimentos. Desse total, 457 foram orientados a fechar o local por não estarem entre as atividades autorizadas a funcionar de acordo com a legislação e apenas 16 estabelecimentos foram notificados por não cumprirem a legislação municipal.