24 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 21º

CORUMBÁ

Deputada acusa de agressão irmão de prefeito com salário de marajá

“Nosso assessor foi agredido por conta do seu posicionamento político”, afirma Bia Cavassa

A deputada federal tucana Bia Cavassa diz que seu assessor Lucas Grilo foi atacado fisicamente por Márcio Iunes, irmão do prefeito de Corumbá Marcelo Iunes (PSDB), por causa da política. O episódio ocorreu nas arquibancadas do Estádio Arthur Marinho, durante o jogo Corumbaense x Maracaju, pelo Campeonato Estadual, domingo passado.

“Nosso assessor foi agredido não por razões particulares, mas por seu posicionamento político, um direito precioso que tanto lutamos em nossa jovem democracia”, enfatizou Bia em uma nota de repúdio publicada pela imprensa e redes sociais. Márcio Iunes, que é assessor do Governo de Reinaldo Azambuja (PSDB), teria dirigido palavras ofensivas a Grilo e depois atingiu-o com um soco no braço, segundo a assessoria da parlamentar.

Bia é segunda suplente de deputada federal. Ela passou a ocupar a cadeira na Câmara depois que a titular, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias (DEM), pediu licença para assumir o Ministério da Agricultura. O primeiro suplente, Geraldo Resende (PSDB), também se licenciou do mandato para ser nomeado secretário estadual de Saúde por Azambuja.

MARAJÁ - Marcelo Iunes era vice-prefeito de Ruiter Cunha, ambos eleitos em 2016. Em novembro de 2017, com problemas graves de saúde Ruiter morreu e logo em seguida Iunes tomou posse. É pré-candidato à reeleição, mas sofreu desgastes com acusações de nepotismo, licitações irregulares e outras infrações. Só esta semana, foi o alvo de duas manchetes, uma por causa do episódio envolvendo o irmão e outra sobre sua remuneração como prefeito.

De acordo com levantamentos nos sites de Transparência, o salário de Marcelo Iunes é um dos maiores entre os gestores públicos municipais e estaduais do Brasil. Nenhum prefeito ganha mais que ele em Mato Grosso do Sul: R$ 26 mil por mês. É mais do que recebem os colegas de cidades bem maiores, como Marquinhos Trad (PSD), de Campo Grande, que tem um contracheque mensal de R$ 21,2 mil e Délia Razuk (sem partido), de Dourados, (R$ 13,8 mil).

O salário de Marcelo Iunes é maior ainda que o de 19 dos 27 governadores brasileiros, inclusos os estados de São Paulo e Minas Gerais. O paulista João Dória Jr (PSDB) ganha mensalmente 23 mil 048,00 para governar o maior estado do Brasil, com quase 50 milhões de habitantes. Outro governante de um grande estado, o mineiro Romeu Zema (Novo), administra os destinos de mais de 21 milhão de habitantes ganhando R$ 11,4 mil por mês.

As diferenças salariais seriam ainda maiores se Marcelo Iunes tivesse sancionado o ato da Câmara Municipal que reajustou os salários do prefeito, vice-prefeito e vereadores no final do ano passado. A reação nervosa e indignada da opinião publica deve ter sido a causa de o prefeito não sancionar a medida e manter seu salário no patamar atual.